sexta-feira, 22 de julho de 2011

Gaudí, o arquiteto de Barcelona

Hola, amigos!

Acordamos tarde hoje. Tomamos um excelente café da manhã no hotel (pago à parte) e saímos com destino à Plaza de la Catalunya para pegar o Bus Turistíc, um ônibus daqueles de dois andares em que se pode subir e descer quantas vezes quiser nos pontos turísticos. São duas linhas que percorrem a cidade e, ao entrar, além do mapa das linhas, ganhamos também um bloquinho com cupons de desconto em vários monumentos e restaurantes.
A primeira parada que fizemos foi a Sagrada Família, templo construído por Antonio Gaudí, arquiteto modernista, que iniciou a construção em 1883 e morreu antes de finalizá-la. Na verdade, quando ele fez o projeto da igreja, já sabia que não poderia terminá-la devido a quantidade de detalhes que ela possui. Seus projetos já foram feitos para serem concluídos por outros arquitetos. Gaudí se inspirou na força da Natureza para criá-la e viveu recluso nela nos últimos 16 anos até sua morte em 1926. Foi a obra da sua vida e é tão cheia de detalhes que pode-se passar o dia inteiro dentro dela sem que se consiga perceber ou compreender todos eles.
Ao chegarmos havia uma fila enorme, mas incrivelmente rápida! Demoramos só uma hora para chegarmos à bilheteria (falando assim parece muito, mas pela quantidade de gente, calculei ficar lá duas horas ou mais!). O ingresso custa 13,50 sem audioguia e 16,50 com audioguia (pagamos 14,50 porque tínhamos aquele cupom de descontos do ônibus), mais 3 euros para subir pelo elevador até o cume (não recomendo, pois a vista nem é isso tudo).
O lugar é enorme, muito bonito, mas não chegou a me encantar. Ficamos lá umas 3 horas e tiramos dúzias de fotos.





Saímos, pegamos novamente o ônibus turístico, e voltamos a Plaza de la Catalunya. Entramos no “El corte ingles” uma famosa loja de departamentos da Espanha, pois eu precisava comprar uma mochila já que a minha tinha arrebentado. Não achamos. Minha mãe deu a ideia de lancharmos no Mac Donald's, pois, com o cupom de descontos, dois sanduíches saíam a 5 euros. Super barato! De lá, estávamos em frente à Casa Batlló, outra obra de Gaudí (43, Passeing de Grácia), com entrada cara a 18,50 por pessoa (inclui audioguia). Pagamos 16,30 porque usamos o cupom de descontos (esse cupom vale muito a pena! Principalmente se você for passar mais tempo na cidade). O lugar é lindo! Foi criada para ser uma casa residencial da família Batlló, depois acabou virando essa espécie de museu. As curvas de Gaudí estão todas ali. Sua paixão pela água aparece nos ladrilhos azuis e nas formas que lembram ondas.
Os terraços têm aquele mosaico de ladrilhos característico do artista e são bonitos. Foi outro lugar de que gostei, mas pelo qual não me encantei. Na verdade, não sou muito dada ao modernismo, talvez seja por isso que as obras do Gaudí não me deixem de boca aberta, como acontece com tanta gente.




De lá voltamos para o hotel. No caminho passamos para ver a Casa Milá, outra obra de Gaudí, também criada originalmente como residência. Só tiramos fotos da fachada, estávamos cansadas demais para entrar. Essa obra é também conhecida como “La Pedrera”pois tem o formato de uma falésia rochosa.


Na vota, achei uma mochila em uma das tantas lojas de árabes que existem por aqui. Jantamos no “Senyor Parellada”, o restaurante do próprio hotel que é muito bonito, com cara de ser super chique, mas com preços bem populares. Adoramos!
Amanhã vamos a Madri. Minha impressão de Barcelona, até agora, é de uma cidade limpa, organizada, com pessoas simpáticas, mas que não chega a ser encantadora.
Hasta Luego!

VIAGEM REALIZADA EM JULHO DE 2011

Barcelona: uma cidade de longas filas

Hola, amigos!
Saímos de Montpellier pela manhã com destino a Barcelona. Fizemos baldeação em Port Bou, uma cidade já na Espanha, onde o controle de imigração é só de fachada pois eles mal olham o passaporte. Chegamos à estação Barcelona Sants por volta de 16 h e fomos nos informar onde deveríamos fazer a reserva para Madri. O rapaz da estação apontou para um aglomerado de pessoas e disse algo como “há uma fila de mais de 500 pessoas e é preciso pegar senha”. Eu achei que ele estava exagerando, mas era verdade mesmo. Peguei o número 032 e o quadro de senhas estava no 504, ou seja, eu teria que esperar até o 999 e só depois começaria de novo do 001 em diante. Havia mesmo mais de 500 pessoas na minha frente!!!
Resolvemos pegar um táxi até o hotel para não perdermos o check-in e voltarmos depois. O Bany's Orientals Hotel (calle de l'Argenteria, 37) é um hotel boutique que me foi indicado por uma amiga. Excelente indicação, pois é super bem localizado e muito confortável.E o preço é bem em conta! Menos de 100 euros para duas pessoas.
Deixamos as malas e voltamos para a estação, dessa vez de metrô, para ver se conseguíamos fazer a tal reserva. Chegamos lá e já estava no número 773. Esperamos umas duas horas para sermos atendidas, mas, pelo menos, resolvemos todas as reservas que precisávamos. Havia, de fato, muita gente, mas o atendimento era bem rápido.
Saímos de lá e fomos até as Ramblas (espécie de calçadão sem praia) para ver o Mercado de la Boqueria, famoso na cidade.



É lindo! Muitos doces e frutas coloridas, mas como já era tarde, não conseguimos comer lá. Fomos a um restaurante chamado “Xerinola” e jantamos. Comida boa, preço razoável. Depois voltamos para descansar no hotel, pois o dia havia sido puxado.
Hasta Luego!

VIAGEM REALIZADA EM JULHO DE 2011

Carcassone: uma cidade de contos de fada

Bonjour, amigos!

Hoje fomos a Carcassonne, uma cidade medieval no sul da França. Minha história com essa cidade começou quando eu li em um guia que ela era uma cidade medieval que havia inspirado a história da Bela Adormecida. Como adoro histórias infantis, achei que deveria ver isso de perto!
Pegamos o trem que partia às 7 da manhã de Montpellier, ou seja, acordamos super cedo! Na verdade eu tinha a intenção inicial de pegar o trem de 9 horas, mas qual não foi a nossa surpresa quando descobrimos que não havia mais vaga para reserva pelo passe nesse trem? É que compramos um passe Eurail que dá direito a sete dias de viagem em um período de 2 meses entre França e Espanha, contudo, apenas o passe não é suficiente para determinados tipos de trem, é preciso também fazer a reserva, só que como há um número finito de vagas para reserva do passe, se você chega muito perto do dia de viajar, corre o risco de não conseguir, principalmente no verão que é quando todos os europeus saem de férias e lotam os trens por aqui.
Há possibilidades de se ir nos trens que não necessitam de reserva, mas nesse caso, temos que seguir os horários desses trens, o nosso era às 7 e chegou em Carcassone às 08h45. A gare fica na parte baixa da cidade, chamada de “ ville basse” ou “Bastide saint Louis”, mas o centro histórico, que era o que nos interessava, fica um pouco longe em um local conhecido como “La Cité”. É fácil de chegar: saindo da Gare, atravesse a ponte sobre o rio e na pracinha à direita, em frente a um hotel chamado “Terminus” há o ponto final do ônibus número 4 que te deixa em frente ao Centro Histórico. Na volta é só atravessar a rua, em frente a onde o ônibus te deixou e pegar o mesmo ônibus até a gare. Custa 1,20 euros a passagem.



Carcassonne ficava num ponto estratégico entre a França e a Espanha e por isso era disputada por elas, o que a levou a erguer duas muralhas em volta da cidade e não apenas uma como era de costume nas cidades medievais do século XIII. Depois de guerras e pestes, a cidade ficou meio esquecida e abandonada por vários séculos, até que no século XIX, o arquiteto Violet Le-Duc (o mesmo que reformou a Notre Dame de Paris) fez da reforma de Carcassonne o projeto de sua vida.
Começamos a visita entrando pela Porta Narbonnaise, passamos no centro de informações turísticas para pegar um mapa e fomos passear pelas ruas ainda vazias. Primeiro fomos a Basilique Saint Nazaire (aberta de 9 h às 18 h), entrada gratuita. Seu estilo é uma mistura de gótico com romanesco e lá dentro descobri um fragmento da Pedra do Cerco, que retrata o período das cruzadas contra os Cátaros na cidade. Essa basílica começou a ser construída no século IX e possui o mais antigo órgão da França.



pedra do Cerco

De lá fomos conhecer o “Chatêau Comtal, , do século XII, o tal da história da Bela Adormecida. Ele é cercado por um fosso e 5 torres. Exitem dois tipos de visita, uma comum, onde você mesmo segue o fluxo (custa 8,50 euros) e outra guiada onde você vai a lugares dentro do castelo em que só é possível chegar com o guia (mais 6,50 euros, além dos 8,50). Fizemos a primeira. Há um filme de uns 20 minutos logo, na entrada, que conta a história da cidade e sua reforma (narrado em francês e com legendas em inglês e espanhol). Muito interessante! Há também remanescentes de objetos arqueológicos que formam descobertos no local. Demoramos umas duas horas dentro do castelo.

pátio
interior do castelo

vista de dentro do castelo

Almoçamos em um restaurante chamado “Auberge de Dame Carcas” (3, Place du Château) onde há menu com entrada + prato + sobremesa a 15 euros. Bem gostoso. O nome desse restaurante vem da lenda da cidade. Conta a história que durante o cerco de Carlos Magno, a população da cidade já faminta estava quase se rendendo quando Dame Carcas, mulher de um nobre, pegou todo o trigo que sobrava na cidade, alimentou o último porco e o lançou através das muralhas. Ao cair do outro lado, o animal se espatifou mostrando todo o trigo dentro de si  e o exército de Carlos Margno pensou: “Há tanto trigo sobrando nessa cidade que eles alimentam com ele até os porcos, eles nunca vão se render” e retiraram as tropas. Para que a população soubesse de quem foi a ideia brilhante, mandaram soar os sinos gritando “Carcas sonnes” (em francês: “ Carcas soa”) e daí veio o nome da cidade.
Não sei se a historia é verdadeira, mas é bonitinha.

Após o almoço fizemos um passeio de trenzinho pelo entorno das muralhas (duração de 20 minutos a 7 euros por pessoa) e depois fomos ver um Festival Medieval que acontece apenas nos meses de julho e agosto na cidade. Ele remonta às justas medievais onde cavaleiros se enfrentavam com lanças e cavalos. É bem diferente.

Saímos um pouco antes do show acabar, pois não queríamos perder o último trem de volta a Montpellier. Chovia quando pegamos o ônibus número 4 para voltar à estação. Aliás, um conselho para quem pretende conhecer a cidade: mesmo que seja verão, leve casaco e guarda-chuva, pois venta demais lá! Um vento bem gelado. E chove! Ou melhor: dá pequenas pancadas de chuva entremeadas com um lindo sol, por isso não se engane: leve agasalho!
Outro bom conselho é ir cedo, pois quando chegamos (9 h da manhã) havia pouca gente e as filas estavam pequenas, entretanto, após o almoço a cidade fica de um jeito que só se caminha em fila indiana! Uma loucura!
Carcassonne é uma bela cidade medieval, com encantos que só são possíveis de serem vistos aqui na Europa, já que no Brasil não existiu Idade Média.
Au Revoir!

VIAGEM REALIZADA EM JULHO DE 2011