Mostrando postagens com marcador Rouen. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Rouen. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 28 de junho de 2013

Rouen num domingo de chuva

Bonjour, amigos!

Rouen é uma bela cidade da Normandia conhecida por ter sido o local onde Joana D’Arc foi queimada viva em praça pública. Cheguei lá num domingo chuvoso de verão, que mais tinha cara de inverno. A cidade estava com a maioria de suas lojas fechadas e apenas poucas pessoas passeavam pelas ruas enfrentando aquele vento cortante.
O posto de informações turísticas fica na praça principal, bem em frente a Notre Dame de Rouen, igreja mais importante da cidade que foi pintada em diversas telas por Monet. Aliás, era exatamente do segundo andar de onde hoje é o posto de informações turísticas que ele sentava para pintar a bela catedral.
Ao lado dela existe um trenzinho turístico que circula pelas  principais ruas e custa 6,50. Em um dia chuvoso e frio, até que vale a pena.

Notre Dame de Rouen

Rosácea da Notre Dame de Rouen
Ali perto está a praça do Vieux Marché (velho mercado), onde, em 1431, Joana D’Arc foi queimada. Hoje nesse mesmo local existe uma igreja em homenagem à guerreira com uma estátua  dela  no local exato da fogueira. Nessa praça existe um restaurante chamado “La terrasse” com preços razoáveis e comida deliciosa. Atendimento muito simpático!
Um outro atrativo da cidade que não tem o apelo “joana d’arc” é o Museu de Belas Artes, contudo, o acervo permanente não é muito interessante, mas dei sorte de ver uma exposição temporária dos mestres do impressionismo, com obras de Monet, Renoir, Signac, Cezanne e outros que eu nem conhecia!

Quadro de Modigliani no museu de Belas Artes

Relógio astrológico

Torre da Joana D'Arc
 A arquitetura do museu é bem bonita e em seu interior existe um café muito bacana. Essa exposição temporária vai até 30 de setembro de 2013, portanto se você estiver em Paris nessa época vale um bate e volta até Rouen (menos às terças pois o museu não abre!). Aliás, é bem fácil chegar em Rouen vindo de Paris, basta ir até a gare Saint Lazare e seguir as placas que indicam “trains grands lignes” e comprar uma passagem para “Rouen Rive Droite”. A viagem dura 1h10 e chegando lá é só seguir pela Rue Joanne D’Arc até o ver o relógio astrológico à esquerda, entrando ali, já se está de frente para a Notre Dame e ao lado do Posto de informação turística onde se pode pegar um mapa da cidade (inclusive em português).

A Bientôt!

VIAGEM REALIZADA EM JUNHO DE 2013

Em Tempo: O Museu de Cera com a história da Joana D'Arc que existia bem no meio da praça central, quando fui em 2010, não existe mais. Fiquei sabendo que era um museu particular e que o dono morreu e seus herdeiros não quiseram continuar com o museu sem ajuda do governo. Também me disseram que um novo Museu de Cera será construído pela prefeitura. Aguardemos.

segunda-feira, 6 de setembro de 2010

Rouen: a cidade de Joana D`Arc

Bonjour, amigos!

Sábado fui à uma cidadezinha aqui perto de Paris chamada Rouen. Ela ficou famosa por ter sido o local onde Joana D'Arc foi queimada.
O passeio começa na Gare Sait Lazare, em Paris (se for de metrô, ao saltar na estação Gare Saint Lazare, que é a última da linha 14, você terá de seguir as placas que dizem “trains grandes lignes” pois é preciso sair da estação de metrô para poder entrar na Gare, que fica ao lado.) Ao sair você verá um stand da SNCF que é onde se compra a passagem. Peça Rouen Rive Droite para poder saltar na estação correta (comprei “aller et retour”= ida e volta por 42 euros. Dizem que há promoções se comprar antes, pela internet), aí é só esperar o número do “voie” (plataforma) aparecer no quadro de “départs” (partidas), compostar o bilhete na máquina amarela na frente da plataforma e entrar no trem. 1h20 depois você chegará a Rouen. Na Gare de lá não há informações turísticas, mas há um pequeno balcão de informações onde peguei uma xerox de um pequeno mapa e perguntei para que lado era a rua principal chamada Rue Jeanne D'Arc (original, não?) e como eu chegava na Catedral de Notre Dame de Rouen, onde se pode conseguir gratuitamente o mapa turístico da cidade.



Fui seguindo a Rue Jeanne D'Arc e, logo no início, a esquerda, vi a Torre Jeanne D'Arc que foi o local onde a heroína ficou presa até ser queimada. Tive que parar e entrar! Descobri que essa torre foi o que sobrou de um castelo que havia sido construído, em 1204, sobre ruínas de um anfiteatro galo-romano do século II d.C., contudo, no século XVI, depois de ser parcialmente destruído por um incêndio e por conta de algumas disputas religiosas, foi ordenada a demolição do castelo. O que restou dele foi a Torre, com 35 metros de altura e mais de 100 degraus para subir.




São 3 pavimentos. Todos contando um pouco da história de Joana D'Arc e de como ela se tornou o mito que é hoje. O ingresso custa 1,50 e é uma visita bem interessante, principalmente para quem gosta dessa parte da história da França!



Saí da Torre e voltei para a rua principal. A arquitetura da cidade é bonita, bem no estilo normando, com aquelas fachadas vermelhas que a gente vê em livros. Até a livraria da cidade é uma atração arquitetônica! Passei por um parque muito simpático com um laguinho com cachoeira e cisnes. Encantador!


Parei em uma Boulangerie (uma mistura de padaria, confeitaria e café) chamada “Paul”, que tem filiais em Paris também, e comi uma tortinha de framboesa (deliciosa!!!) acompanhada de um cappuccino. Andei mais um pouco e vi, também a esquerda, o Palais de la Justice. Um prédio lindo!!!



Continuando pela rua principal, de repente, a esquerda (sempre!) apareceu a famosa Torre do Relógio. Fascinante! O relógio marca a hora, o dia da semana e a fase da lua.


Se você entrar nessa rua da Torre (rue du Gros Horloge) e passar por baixo da Torre do Relógio vai chegar a Catedral de Notre Dame de Rouen, que foi imortalizada nas pinturas de Monet. Dizem que é a mais bonita da França. Realmente ela é belíssima, mas ainda gosto mais da de Paris. Seu estilo é bem gótico e seu interior é gigantesco. E lindo! Uns vitrais de tirar o fôlego, pena que as fotos não conseguem dar essa dimensão.




Saí de lá e, logo em frente, há um Office de Tourisme, onde se pode pegar o mapa da cidade. Há versões em inglês e espanhol. Através do mapa descobri que, voltando para o outro lado da rua do relógio, pode-se ver um Museu dedicado a Joana D'Arc. Quando eu cheguei na frente do museu, achei que era só uma lojinha de souvenirs, mas o museu fica dentro dela. A entrada custa 4 euros. Ali se pode ouvir a história da vida da heroína (desde o início, quando ela recebeu o primeiro chamado até sua morte na fogueira em 1431) através de vários bonecos de cera com audio em inglês, francês, italiano e alemão. E só! Nada de espanhol. Português, então, nem pensar! Nessas horas eu agradeço ter feito curso de francês.




Eu adorei o museu. Fiquei quase duas horas lá e ele nem é tão grande. Em frente ao Museu existe uma Igreja (adivinhem o nome dela?) que foi construída no local onde Joana D'Arc foi queimada. Inclusive, do lado de fora, há uma estátua dela, em tamanho natural, no lugar exato onde ela foi morta. Através de escavações, descobriram que ali era o velho mercado, onde, em épocas remotas, os condenados eram expostos à vergonha pública e eram mortos, por enforcamento ou queimados. A Igreja tem um design super moderno e foi inaugurada em 1979. Seu arquiteto quis dar ao seu interior a forma de um barco, há pequenos vidros em formato de peixe. O exterior lembra vagamente um elmo, usado por Joana D'Arc nas guerras. Há vitrais que vieram da Igreja de São Vicente, cujas ruínas podem ser vistas em um canto da Igreja. Quem diria que uma mulher que foi queimada como herege viraria santa canonizada pela Igreja e tudo!




Ainda havia mais coisas para ver na cidade, mas eu estava cansada e queria voltar para casa para arrumar as malas, afinal, domingo, eu teria de sair do apto e tinha que deixar tudo em ordem. Então, voltei para a Gare, comi algo por lá mesmo e peguei o trem para Paris. A volta foi mais rápida e em uma hora eu já estava na Gare Saint Lazare. Ir a Rouen é um passeio para quem passa mais tempo aqui em Paris ou para quem não está vindo pela primeira vez. Passei uma tarde bem agradável e, de quebra, ainda aprendi um monte de coisa sobre a vida dessa mulher que foi tão importante para a História da França.

A Bientôt!

VIAGEM REALIZADA EM AGOSTO/SETEMBRO DE 2010