terça-feira, 31 de agosto de 2010

Os esgotos de Paris

Bonjour, amigos!

Como é bom poder acordar tarde quando se viaja!!! Hoje era o segundo dia do meu passe de museu que vale por 4 dias consecutivos, então, fui aos lugares que ele dava direito. Primeiro, peguei o metrô até a estação Alma-Marceau, atravessei a Ponte de L'Alma e fui visitar o Museu dos Esgotos de Paris (ingresso a 4,30 euros para quem não tem o passe). Parece estranho, sendo Paris a cidade linda que é, alguém querer visitar seus esgotos, mas, no meu caso, essa visita tinha a ver com meu querido escritor francês Victor Hugo que, ao escrever “Os Miseráveis”, colocou seu personagem principal Jean Valjean para atravessar os esgotos da cidade.
Achei impressionante como era tudo limpo e o cheiro (que eu imaginava ser terrível!) era quase imperceptível!


O esgoto de Paris data de 1370, quando construíram os primeiras calhas para coleta da água da chuva. Contudo só com Napoleão I aparecem os primeiros dutos cobertos, porém é só com o fantástico prefeito Barão de Haussmann que, em 1850, Paris recebe a rede de canos e dutos que alcançava 600 km de extensão e que tinha um sistema de bombeamento das águas sujas para baixo do Sena, longe da cidade. Uma inovação para a época. É claro que essa rede foi ampliada e reformada, no entanto, basicamente, continua a mesma desde aquela época.



Quando a gente entra, o moço da bilheteria oferece um mapa na língua desejada (ou quase, pois não tem português, mas espanhol serviu bem) e a gente vai lendo o que é o quê e vai seguindo as placas (adoro placas!!!) dizendo a direção da visita. Não tem como se perder, é tudo muito bem sinalizado e só está aberto ao público o caminho que deve ser percorrido, qualquer outra entrada está com uma fita escrito “proibido passar”.



Lá no meio, há uma explicação sobre o livro de Victor Hugo, dizendo que ele conhecia o inspetor dos esgotos da época, isso fez com que ele pudesse narrar, com riqueza de detalhes, as aventuras de seu personagem por um lugar em que ele próprio nunca esteve. Há um desenho de Jean Vajean carregando Marius inconsciente. É uma passagem famosa do livro.


Gostei da visita. Foi bem diferente do circuitão turístico aos quais as pessoas que vêm à Paris estão acostumadas. É muito bom ter tempo sobrando em Paris para poder fazer esse tipo de passeio. De lá fui ao Museu Quai de Branly, que fica quase do lado. O Paris Museum Passe também dava direito a ele. Este é um museu bem diferente, a começar pela sua entrada, com uma parede entremeada de hera e outras plantas se confundindo com as janelas. É interessante. Descobri que esse é um edifício-ponte que se projeta sobre uma farta vegetação e que segue a linha do Sena, portanto, é em curva (claro que é um prédio moderno e sua inauguração foi em 2006).



Ao entrar (pegue um mapa na entrada), pode-se ver obras da Ásia, Oceania, África e Américas. Fotos sem flash são permitidas. Havia muita coisa bonita e muita coisa estranha (pelo menos pra mim que não estou familiarizada com esse tipo de arte). Dá pra ficar umas boas duas horas lá dentro ou mais.



Como eu estava ao lado da Ponte de L'Alma, de onde saem os Bateaux Mouches e eu tinha um monte de ingressos para eles, resolvi fazer meu terceiro passeio de barco pelo Sena. Desta vez tirei fotos de uma Paris em sépia. Muito bonita!





De lá, peguei o metrô até a estação Saint-Germain-des-prés, pois, atrás da Igreja, há a rue Bonaparte onde no número 21 está a famosa confeitaria Ladurée com seus deliciosos macarrons (é uma espécie de suspiro macio com recheio dentro, dos mais variados sabores) e éclairs (no Brasil, chamamos de “bomba”). Eu queria comprar o éclair de pistache, que comi ano passado e era delicioso, mas tinha acabado, então comprei uma caixinha com macarrons sortidos e votei andando para casa, já para compensar a quantidade de calorias que será ingerida mais tarde.

A Bientôt!

VIAGEM REALIZADA EM AGOSTO/SETEMBRO DE 2010

segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Um museu da Idade Média em Paris

Bonjour, amigos!

É, parece que estou mesmo morando em Paris...hoje foi o dia de me sentir uma local. Primeiro porque era dia de faxina aqui no apto e às 10h chegou uma equipe de 3 rapazes para limpar o apto. Um apartamentinho desse tamanho e, praticamente, uma confraria para limpá-lo! Impressionante! Mas acho que aqui em Paris é assim. Não existe diarista, como no Brasil, e sim empresas que mandam seus funcionários às casas para fazer a limpeza. E tendo uma equipe, o trabalho fica mais rápido. Em menos de 2h30 eles limparam e arrumaram tudo. Excelente!


Nesse meio tempo, fui a “Benlux”, uma loja de cosméticos na frente do Louvre, na rue de Rivoli. Ela é famosa por ter bons preços, ter atendentes brasileiros e fazer tax free (quando a gente compra de 175 euros para cima numa mesma loja, no mesmo dia, há a possibilidade de receber de volta até 12% de imposto, já que não somos moradores da união europeia. É preciso preencher um formulário e receber a devolução desse dinheiro em um guichê próprio no aeroporto no momento de reembarcar para o Brasil). Fui lá comprar o creme que minha mãe me encomendou e aproveitei para comprar um “J'adore”da Dior, que é meu perfume preferido, afinal, os preços compensavam! Fiz uma horinha no café do Louvre e, quando eu estava lá, resolvi pegar meu Paris Museum Passe para ver em qual museu eu iria hoje, nesse momento apareceu um cara me perguntando se aquele era o passe de museu e fazendo menção de pegar para olhar. É claro que não deixei ele pegar o passe na mão dele, mostrei de longe e toda vez que ele fazia menção e pegar, eu afastava, até que ele desistiu. Tenho a leve impressão de que ele queria me roubar o passe. Porém, ele não sabia com quem estava lidando! Sou carioca! Estou acostumada com essas manhas. Acha que vai me roubar assim na mão grande? Sem chance! Ser do Rio de Janeiro me deu malícia suficiente pra desconfiar até da minha sombra! E não adianta, porque mesmo estando fora, em outro país, eu não relaxo, continuo com os mesmos cuidados que tenho na minha cidade.
Voltei para o apto, arrumei as coisas e fui ao Museu Cluny (entrada a 8 euros, se você não tiver o Paris Museum Passe) que fica aqui em frente. É um museu dedicado à Idade Média. Ele era a residência dos abades de Cluny e o prédio abriga também as antigas Termas Galorromanas, construídas no século I d.c., mas infelizmente o “frigidarium”, local do banho de águas frias, estava fechado para reforma e só reabre dia 22 de setembro.


Nesse museu estão os 21 originais das cabeças dos reis de Judá, esculpidas em 1220 para a fachada da Notre Dame, mas que foram danificadas da época da Revolução Francesa.


Também há um conjunto de tapeçarias intitulado “A Dama e o Unicórnio”, que é umas das maiores obras medievais da Europa. Elas representam os cinco sentidos (audição, olfato, tato, paladar e visão) mais um sexto que seria o do coração. Nesse, a dama coloca em uma caixa o colar que usava nos outros cinco, com a inscrição: “para o meu último desejo”. A explicação seria de que isso simboliza a recusa da tentação e a renúncia ao prazer os outros sentidos. Eu fiquei encantada com as tapeçarias! Pena que só era possível tirar fotos sem flash e a iluminação não ajudava muito...







Depois do museu, fui ao Monoprix comprar mantimentos e, de repente, me vi comprando pelo preço, como no Brasil. É, estou mesmo morando em Paris! E morar aqui é caro!
Mais tarde fui dar uma volta para ver o pôr do sol no rio Sena e vi paisagens belíssimas. Não tem jeito, Paris nos convida a tirar fotos! A cidade é muito bonita! A arquitetura é belíssima! Sou apaixonada por esse tipo de construção que existe aqui.



Passei pela Torre de Saint Jacques, onde começa o caminho francês de Santiago de Compostela...



...e fui comer no “Deux Magots”, um famoso café no Boulevard Saint-Germain, que funciona desde 1885 e que era reduto de existencialistas como Sartre e sua turma. Comi um carpaccio e tomei um café.




É engraçado como cada povo tem suas manias gastronômicas: no Brasil as pessoas colocam arroz para acompanhar qualquer prato. Aqui eles colocam queijo. Recebi meu carpaccio com lascas de parmesão por cima. Diferente. Ficou gostoso. O café estava meio fraco (bem que dizem que os franceses fazem o pior café do mundo), mas valeu pelo clima do local. Na volta, havia um casal de senhores bem idosos tocando um violino e um pandeiro. E já eram quase 22h! Só em Paris mesmo!

A Bientôt!

VIAGEM REALIZADA EM AGOSTO/SETEMBRO DE 2010

domingo, 29 de agosto de 2010

Um dia a esmo no frio fim de verão em Paris

Bonjour amigos!

Hoje eu iria às Catacumbas de Paris, um passeio um tanto macabro, é verdade, mas que eu queria fazer desde o ano passado. No entanto, ao chegar lá, a fila era enorme! Parece que todo mundo resolveu fazer esse passeio, dito, pouco turístico. Além de tudo, chovia! Eu não estava disposta a ficar em uma fila na chuva, então voltarei outro dia.
De lá quis ir ao Museu dos Esgotos de Paris, mas eles não vendiam o Paris Museum Passe lá, apesar de aceitarem, então fui andando até o Arco do Triunfo para comprar o passe. Ventava muito hoje! Aliás, acho que o outono chegou mais cedo aqui em Paris, pois as árvores estão com suas folhas já todas amareladas e caindo e, no chão, ao andar, ouvimos o “crec-crec”das folhas caídas. É bonito! Mas é frio! E eu não vim preparada para uma viagem no frio, afinal, viajei no verão! Resultado: tive de comprar um casaco já que o que eu trouxe é carioca demais para o pré-outono parisiense.


Quando eu estava lá no Arco apareceu um casal de brasileiros tentando se comunicar com a moça que controlava a entrada e tentando descobrir se havia elevador para subir. Ela respondeu e eles não entenderam, então fui ajudar (é, acho que meu francês está melhorando mesmo!) e ela disse que só havia elevador para quem é cadeirante, então o senhor quis saber se quem tinha mais de 60 anos não poderia subir no elevador, quando eu perguntei isso à moça, ela me olhou com um cara espantada e disse , em francês: “claro que não! O elevador é só para pessoas aleijadas!”. E aí eu entendi uma coisa bem interessante aqui na França: não há qualquer benefício para os idosos aqui, a não ser em compra de passagens, mas não há fila preferencial nem nada do gênero e, pelo jeito que a moça me respondeu, entendi que aqui eles acham que os idosos são apenas pessoas mais velhas e não pessoas incapazes, por isso ninguém vê necessidade de dar preferência a eles. É uma valorização dos idosos como seres humanos. Achei isso bem bacana porque aqui eles não são vistos como fardo ou estorvo, como no Brasil, mas como pessoas normais que podem fazer tudo o que os mais novos fazem e, de fato, por aqui a gente vê muito idoso subindo escadarias que eu não aguentaria, vê muita gente mais velha com mochila nas costas viajando e pessoas de cabelo bem branquinho carregando carrinho de comprar com sorriso nos lábios. No Brasil, os idosos são tratados como “coitados”, aqui eles são tratados como gente! Essas diferenças culturais a gente só percebe mesmo quando fica muito tempo no local....


Do Arco, fui passear a esmo. Andei por ruas em que nunca havia passado aqui em Saint-Germain-des-Prés e acabei indo parar perto do “Le Procope”, o restaurante mais antigo de Paris, de 1686, e que foi frequentado pelos revolucionários famosos da época da Revolução Francesa, além de escritores como Voltaire e Rimbaud. Foi ali que almoçamos eu e minha mãe, ano passado, no aniversário dela. O almoço de lá é sempre ótimo! E o atendimento impecável! De lá dei uma longa volta até voltar para casa. Passei pelo Forum Les Halles e pela Igreja Saint Eustaque, ambos que eu não conhecia.




O dia hoje foi meio sem planejamento, com mais vento do que eu gostaria, mas foi bom. Apesar de tudo, o saldo foi positivo. Seria bem difícil ser diferente, afinal, estou em Paris e Paris é como pizza: mesmo quando é ruim, é bom!

A Bientôt!

VIAGEM REALIZADA EM AGOSTO/SETEMBRO DE 2010

Versalhes, um jardim de Fontes musicais

Bonjour, amigos!

Ontem fui ao Palácio de Versalhes. Pra quem não leu meu post do ano passado sobre como chegar lá, é muito fácil: basta pegar o RER C em direção a Versailles Rive Gauche. Atente que o bilhete é mais caro, pois Versalhes é zona 4 aqui em Paris e o bilhete custa 3,05 euros para ir e mais outro tanto pra voltar. Se você for com o bilhete simples para a zona 1 e 2, pode até conseguir embarcar, mas não conseguirá sair da estação lá, pois é preciso inserir o bilhete na catraca para sair também. Ao sair da estação vire à direita numa larga avenida. Atravesse a rua no sinal e continue na direita, passe o Hotel Ibis e entre na primeira a esquerda. Aí é uma reta até os portões do Palácio. Bem simples!
Se você já tiver comprado o bilhete ou tiver o Paris Museum Passe, vá para a porta central onde está escrito “A toutes les gloires de la France”, se não, terá de enfrentar fila do lado esquerdo, onde ficam as bilheterias (se for época de verão, compre seu bilhete antes, porque a espera é longa!).


Ano passado eu tinha ido a Versalhes, mas, justamente por causa da imensa fila, acabei não entrando no Palácio. Não cometi o mesmo erro e dessa vez fui munida do bilhete. Entrei e, confesso, que me decepcionei um pouco com o interior do castelo. Eu esperava muito mais suntuosidade e opulência. É bonito, mas, depois de ter visto tantos palácios belíssimos na Itália, Versalhes me pareceu um tanto comum...vi o quarto do rei, o da rainha, a cama onde ela dava à luz seus filhos na frente de todos, as salas com a mobília e o famoso “Salão dos Espelhos” que eu esperava que fosse, além de maior, mais bonito.





Contudo, em Paris, nem tudo está perdido! Não há só o Palácio para ver, há também os jardins que, como fui no fim de semana, peguei o show da “Fontes Musicais”. É o seguinte: nos meses de verão, pegando o fim da primavera e o início do outono (esse ano foi de 3 de abril a 31 de outubro) há nos fins de semana, nos jardins, o que eles chamam de “Les Grandes eaux musicales de Versailles”, em que todas as fontes funcionam ao mesmo tempo e toca, ao fundo, uma música clássica diferente em cada uma delas. É lindo!!! Principalmente se você der a sorte de pegar um dia ensolarado como o de ontem. Dá uma sensação tão boa de paz! É muito bonito! Entretanto, isso tem um custo. A tarifa é de 8 euros para 1h30 de show. Nos outros dias da semana, os jardins são gratuitos, no entanto, todas as fontes estão desligadas.







Eu acho que se você vai passar apenas um dia em Versailles, vale a pena pagar, pois é mesmo bem encantador. Eu estava lá, tirando fotos e mais fotos das fontes, quando escutei um casal falando português e fui falar com eles. Eram cariocas também e estavam vindo de Portugal. Foi ótimo, pois conversamos bastante, trocamos dicas de viagem e tiramos fotos uns dos outros. Depois de tanto tempo viajando sozinha é bom ter com quem conversar no meu idioma. Demos uma longa volta juntos e depois cada um seguiu seu caminho.


Ao sair de Versailles, parei para tomar um café perto da estação para fazer hora já que o trem estaria lotado pois aquele era o horário em que a maioria das pessoas estava indo embora. Ainda peguei o trem cheio, mas consegui vir sentada.
À noite, fui à Notre Dame, afinal, desde que cheguei à Paris esse ano, ainda não tinha entrado na catedral! Eram 18h30 e ela estava aberta. Entrei e estava havendo uma missa! Tirei umas fotos e fiquei lá dando uma rezadinha (ando rezando tanto ultimamente que nem me reconheço!). Depois fui comer um crepe ali do lado e acabei conversando uns 10 minutos com o moço do crepe e ele disse que falava muito bem francês! Fiquei tão feliz! Pelo menos os 5 anos de investimento no curso valeram a pena!
Mas eu tenho sentido mesmo que as pessoas me entendem melhor, não preciso mais repetir o que digo e também estou entendendo melhor, pois agora, raramente, peço para falarem novamente. É natural, afinal, só ouço francês em todo lugar que vou, a TV é em francês, tudo é escrito em francês, portanto, é de se esperar que minha capacidade de falar e entender esteja melhorando. Acho que se eu ficasse mais tempo e fizesse um curso por aqui ,certamente, pegaria o “jeito” do idioma. De qualquer modo, estou feliz por estar entendendo e falando melhor!

A Bientôt!

VIAGEM REALIZADA EM AGOSTO/SETEMBRO DE 2010

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Montmartre, o bairro boêmio de Paris

Bonjour, amigos!

Hoje foi mais um dia em que acordei tarde...estou adorando poder acordar tarde em Paris, sem me sentir obrigada a fazer nada! É bom demais não ser mais 100% turista!
Fui ao bairro de Montmartre, reduto da boemia de Paris. Foi lá que pintores como Renoir, Degas e Toulouse-Loutrec fizeram suas mais belas obras e foi lá também que a maior parte do filme "O fabuloso destino de Amélie Poulin" foi rodado!
Eu já havia ido a Montmartre ano passado com minha mãe. Queríamos ir à basílica de Sacre-Coeur, que é lindíssima! Contudo, por ser o auge do verão, ano passado o bairro estava lotado e mal conseguíamos andar pelas ruas.
Dessa vez foi bem diferente! É claro que ainda há uma horda de turistas, mas não é como no início de agosto. Hoje eu pude passear por Montmartre, pude ver ruas que não tinha percebido...


...pude ver a Place de Tertre, uma bucólica pracinha onde alguns artistas desenham os turistas dispostos a pagar caro por seus retratos. Ano passado não era possível sequer passar por aqui!


Pude observar a arquitetura externa da Sacre-Couer e ver o quanto ela é realmente bonita!


E pude ir ao Museu de Montmartre (12, rue Cortot. A entrada custa 8 euros e o audioguia é grátis), que conta a história do bairro, de seus cabarés famosos (como o Chat Noir e o Moulin Rouge) e de seus artistas. Muito bonito! Pena que não é possível tirar fotos de dentro do museu, apenas pude tirar fotos no belo jardim.




Dali, passeei mais um pouco e descobri, atrás da Sacre-Coeur, um jardinzinho púbico lindo! Com cantinhos que dá vontade de passar a tarde!


Depois fui almoçar na Place de Tertre. Comi uma entrada de melão com presunto cru (aprendi a gostar disso com o Theo, lá na Toscana) e um prato principal que era Bife Bourgignon. Delícia!



Depois fui andar um pouco, sem rumo! Como é bom apenas andar...ao chegar de volta na frente da Basílica havia um rapaz cantando e uma multidão ali, sentada nos degraus, ouvindo. Também sentei. Ele era engraçado e falava em várias línguas, tudo meio misturado. Inglês, francês, espanhol e italiano. No fim, deu pra entender tudo e até rir das piadas que ele fazia. Foi bem gostoso.


Montmartre é um bairro com diversas lojas baratas, onde se ouve muito português (basta ter uma promoção que lá estão os brasileiros comprando!) e cujo nome veio de "Monte de Marte", pois aqui, antigamente, existia um templo para o deus da guerra. Dizem que seu nome também tem a ver com "Monte dos mártires", pois foi nesse local que Saint Denis foi martirizado e teve sua cabeça degolada. De qualquer modo, o bairro ficou famoso mesmo pela arte, pela bebida e pelo can-can dançado nos cabarés desde 1889, quando o Moulin Rouge foi inaugurado.
Depois desse retorno ao mundo dos artistas boêmios, retornei ao apto. Hoje quis voltar para casa cedo, pois estava sentindo falta de ficar um pouco em casa. Quando a gente viaja, parece que existe uma obrigação de ter de sair todos os dias para ver tudo o que a cidade oferece, mas hoje eu estava mais caseira, querendo curtir um pouco esse canto que, no momento, estou chamando de lar.

A Bientôt!

VIAGEM REALIZADA EM AGOSTO/SETEMBRO DE 2010

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

Um passeio consumista em Paris e a bela vista de Montparnasse

Bonjour, amigos!

Hoje amanheceu um dia meio nublado (acho que quinta-feira é o dia da chuva em toda Europa!) e resolvi ir até o teatro “Opera” pois nunca havia nem passado na porta dele e sei que foi ele que serviu de inspiração para os arquitetos projetarem o Theatro Municipal no Rio de Janeiro. O prédio é lindo e mistura estilos renascentista e barroco! Na fachada estão algumas máscaras antigas, que são o símbolo do teatro e estátuas de compositores famosos como Mozart e Bethoven.


Eu ia entrar, mas quando cheguei a bilheteria ainda estava fechada, então fui dar uma volta na Galeries Laffayette, uma espécie de shopping que dizem que é cheio de brasileiros. Realmente! O lugar tem tanta gente falando português que até o recado do auto-falante é dado em português! Impressionante! Foi ali que eu percebi aquilo de que sempre ouvira falar: como tem brasileiro que só vem fazer compras na Europa! O que tinha de gente saindo carregado de lá!! A maioria das pessoas carregava, no mínimo, 3 bolsas. E eu ali, querendo ver a arquitetura do local! Depois de algumas fotos, resolvi procurar umas lembrancinhas pra comprar e achei no andar de baixo umas coisinhas bem bonitinhas e bem em conta! Ao sair de lá, passei no Museu Fragonard, que é o museu do perfume e fica ali do lado (Rue Scribe, 9) e acabei comprando, além do creme que uma amiga encomendou, um perfume pra mim. Ou seja, quando cheguei para entrar no Opera eu estava com duas sacolas e a minha mochila. Achei melhor voltar outro dia.


Voltei para o apto para deixar as compras e fui encontrar a Monica, uma brasileira que conheci pela internet e que chegou hoje a Paris. Iríamos à Torre de Montparnasse, mas quando chegamos lá, estava chovendo, então fomos a um café conversar.
De lá, ela voltou pro apto do David, onde está hospedada junto com a Renata e eu resolvi subir a Torre já que a chuva havia parado. Custa 11 euros e a gente sobe 200 metros em um elevador que eles alegam ser o mais rápido da Europa (38 segundos). No andar 56, onde o elevador para ,há um restaurante, mas eu não estava com fome, pois havia comido uma salada com a Monica, então subi os outros 3 andares que faltavam de escada (não tem outro jeito!) e fui ver a vista panorâmica de Paris. Agora eu entendo por quê construíram aquele Torre, que todos dizem que é tão feia, no meio de Paris. É para nos brindar com aquela vista inigualável!!! Eu ainda dei sorte pois peguei o anoitecer e vi Paris ir se acendendo lentamente. Melhor: vi a Torre Eiffel começar a piscar! Linda!!! Fiquei um tempão lá em cima, só desci porque começou a chover novamente. Voltei ao andar 56 e fiquei olhando a vista pelos vidros. Como Paris é linda vista assim do alto!!


A Torre de Montparnasse ( o nome é uma alusão ao Monte Parnasso, onde viviam os poetas) foi inaugurada em 1973 e até hoje desperta polêmica, por ser quase o único arranha-céu no centro de Paris. Ela é, esteticamente, muito feia, mas a vista compensa! E lá em cima há um vídeo muito interessante falando de todas as cidades que têm torres importantes, desde Nova York até San Gimignano. O vídeo tem legenda em várias línguas e é bem bacana! Saí de lá, peguei o metrô e voltei pra casa. Ainda deu tempo de passar rapidinho no supermercado para comprar um suco de maçã (lembra, mãe?) e chegar no apto e postar tudo isso pra vocês.

Estou fazendo Paris com calma, não quero ter que tirar “férias das férias” quando eu voltar ao Brasil. Mas, sinceramente, nesse ponto da viagem, a saudade começa a ficar quase insuportável e, não fosse eu estar na cidade lindíssima que é Paris, já teria voltado pra casa!

A Bientôt!

VIAGEM REALIZADA EM AGOSTO/SETEMBRO DE 2010

O Jardin des Plantes de Paris

Bonjour, amigos!

Ainda no estilo “estou de férias! E em Paris!”, ontem acordei bem tarde (começo a adaptar a vida na Europa ao meu relógio bilógico, o que significa acordar lá pelas 10h30 da manhã) e fui a um jardim que só descobri que existia depois que voltei da viagem do ano passado: O Jardin des plantes. É um lindo jardim, originalmente de plantas medicinais, criado em 1635 para o então rei Louis XIII. Após a Revolução Francesa foi acrescentado a ele o Museu de História Natural.


Há árvores centenárias ali, incluindo um Ginko Biloba com mais de 220 anos. O jardim é imenso e há nele um labirinto com uma espécie de mirante no cume, que foi construído em 1788.


Há o chamado “Jardim Alpino”com mais de 2000 plantas de montanha, incluindo os Alpes, a Provence, a América do Norte e até o Himalaya. Esse é um espaço bem agradável, com bancos e sombras para se sentar e descansar um pouco.


Há também um zoológico chamado aqui de “ménagerie”, mas eu não me interessei em ir. Além do mais, tinha muita criança fazendo bagunça na fila e eu não queria me estressar. Contudo, fui a Galeria da Evolução (7 euros +2 euros para ver a exposição temporária) que é gigantesca! São 4 andares contando a história da evolução de diversas espécies de animais. É bem interessante, principalmente para as crianças pois tem umas partes do museu que são interativas.


Eu queria ter ido à Galeria de Mineralogia para ver a pedras, mas estava fechada. Na frente havia um enorme quartzo negro vindo diretamente do Brasil. Acho que fiquei umas 3 horas ou mais dentro do jardim. Tudo é muito bonito e organizado. Logo na entrada (pode-se descer na estação de metrô Gare D'Austerlitz) há uma casinha com informações turísticas onde se pode pegar gratuitamente um mapa do jardim (há versão em francês e inglês) e a partir daí, você escolhe onde quer ir.


Saindo do jardim pela saída 36, na Rue Geoffroy Saint-Hilaire, a gente dá de cara com um mesquita e um salão de chá com doces árabes. Esse edifício foi construído em 1922 em estilo hispano-mourisco. Existe também uma lojinha vendendo todo tipo de lembrancinha árabe que se possa imaginar, desde incenso até luminárias. O cheiro que exala dessa lojinha é delicioso!


Como não gosto muito de comida árabe, não quis comer ali e fui até a famosa Rue Mouffetard, onde eu ouvi falar de restaurantes deliciosos e baratos. Antes, passei nas Arénes de Lutéce, uma antiga arena romana que preserva ainda boa parte da sua estrutura original. Ela acomodava até 20 mil pessoas e era usada para esportes sangrentos, foi descoberta em 1860 quando iniciaram a construção da rua ao lado. Hoje virou campo de futebol para os adolescentes e de bocha para os senhores mais velhos. Há um pequeno parque atrás dela onde crianças brincam e mães levam seus bebês para passear.





Depois de passear um pouco pela Rue Mouffetard e olhar suas lojinhas (um tanto caras para o meu padrão), voltei andando para o apto. Achei que era perto, mas andei horrores!! Cheguei aqui com a perna doendo e ainda tinha dois lances de escada para subir. Ufa! Tomei banho e cama!
Au Revoir!

VIAGEM REALIZADA EM AGOSTO/SETEMBRO DE 2010