segunda-feira, 4 de novembro de 2013

"Conservatória, onde eu perdi meu coração"

Olá, amigos!


Acabei de voltar de mais uma viagem à Conservatória, o meu paraíso particular! Eu já conheci muitas cidades mundo afora, mas é ali, naquele distrito de Valença onde eu me sinto mais feliz! Por mais que eu ame Paris ou Veneza, por mais que a Europa seja uma grande paixão, meu coração cai mesmo de amores é por aquele pedacinho de céu chamado Conservatória, com suas ruas de calçamento pé de moleque, com sua seresta toda sexta e sábado e principalmente, com sua serenata, que me transporta a lugares onde nunca estive, a tempos que nunca vivi, mas que estão ali marcados como tatuagem naquelas canções.
Todas as vezes que retorno à Conservatória ( e aí já se vão talvez umas 15 vezes), eu tenho a mesma sensação de paz, de bem-estar e de alegria. Volto de lá com a sensação de que todos os meus problemas estão, magicamente, resolvidos e de que o mundo ainda vale a pena!
É um manancial onde vou beber um pouco de boa energia e me recarregar até o ano seguinte. É quase um vício! No ano que eu não volto, parece que fica faltando algo.  Parece que me falta um passado.

Voltei a Conservatória depois de quase 2 anos, já sufocada de realidade. Eu necessitava daquela magia, daquele luar, daquela melodia, daquelas vozes cantando quase como cantigas de ninar e embalando meu sono e meu despertar. Eu precisava daquele remanso para poder voltar a ser eu com mais capacidade, para poder ser uma eu mais calma e melhor, com mais crença nas pessoas.

Esse ano voltamos a nos hospedar na Pousada Jara, na praça matriz. Gostei de ter ficado lá da última vez e resolvi repetir a dose.
Dessa vez, resolvemos conhecer a "Cachoeira da índia", um lugar pitoresco onde há a estátua de uma índia em homenagem aos primeiros nativos da região que pertenciam à tribo Arari. Não à toa, o antigo nome do distrito era Conservatória dos Índios. A cachoeira fica mais ou menos a uns 2km do centro, um pouco antes de se chegar à estrada que leva a Valença. Fácil de chegar a pé para quem gosta de andar.

Cachoeira da Índia

Também fomos mais uma vez ao "túnel que chora", o túnel por onde passava a antiga Maria Fumaça e que foi escavado próximo a uma nascente, daí vem a água que verte por suas paredes. José Borges, o grande seresteiro homenageado na estátua da rua do meio da cidade, fez uma linda música chamada "rua das flores" que conta a história do túnel e do trem ( Colocarei a letra no fim desse post).

o Túnel que chora

Estátua em homenagem a José Borges

Embora o movimento da seresta/serenata em Conservatória esteja bem diferente do que já foi há alguns anos, pois perdemos o Museu da Seresta e, infelizmente, alguns frequentadores mais jovens não têm o respeito de outrora em que a cidade toda parava para ouvir aquelas músicas, ainda é gostoso passar as noites cantando antigas canções de amor. Infelizmente, um dos mais célebres cantores da região faleceu ano passado. Mario Caldas agora está cantando lá no céu e nos deixou um tanto órfãos ao  ouvirmos "Cavalgada" durante a serenata que era uma das músicas que se tornou sua marca.
 
Seresta na Casa da Cultura

Serenata ao Luar

A cidade está mais turística, um pouco mais comercial porém ainda conserva seu encanto, seu brilho que está presente, especialmente, nos olhos dos antigos seresteiros que fazem dali seu pedacinho de céu.


Placa na casa da Cultura

Poemas espalhados pelas fachadas das ruas

Foi bom poder voltar esse ano, justamente quando estou tendo mais contato com a literatura depois de tantos anos. Conservatória é a literatura em forma de música! É realmente meu porto seguro nesse mundo e espero poder voltar sempre para sorver um pouco mais de uma eu que eu nem sabia que existia.  Volto mais feliz, mais tranquila e certa de que há um pequeno lugar entre o tempo e o espaço onde uma simples canção ou poema faz transbordar de sentimentos todo o coração.

Rua das Flores (José Borges)

Moramos na rua das Flores
No bairro da Felicidade
À rua do túnel tristonho
caminho que vai pra saudade.

Vem à lembrança
o velho trenzinho apitando
tristeza dos olhos molhados
adeus de lenço acenando

Quantas mulheres
partiram de trem soluçando
Dizem que é de saudade
que o túnel vive chorando.