quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Uma ilha no meio de Paris

Bonjour, amigos!

Ontem fui passear um pouco por Paris! Como vou passar ainda um tempo por aqui e já visitei todos aqueles lugares mais turísticos no ano passado, posso me dar ao luxo de não ter de “Bater ponto” nos museus e monumentos, então posso sair sem destino pelas ruas. Afinal, estou de férias! E em Paris!
Ontem fui conhecer um pedaço da cidade que não conhecia: a Île Saint Louis. Comecei pela estátua de Rimbaud que fica na saída do metrô “Sully Morland”.


Atravessando a Ponte Sully, em frente, encontra-se um belo jardim à esquerda. Dali há uma bela vista para o Sena.


Saindo do jardim, fui até o “quai D'Anjou”, onde no número 1 fica o Hôtel Lambert, uma casa do século XVII projetada pelos mesmos arquitetos que projetaram o Palácio de Versalhes. Essa casa já foi ocupada por Voltaire, mas hoje pertence a uma família rica aqui de Paris.


Nessa mesma rua, no número 7, está o Sindicato dos padeiros (pão é coisa muito séria para os franceses e há um concurso todos os anos para escolher o padeiro oficial do presidente) e pelo cheiro que se sente nas ruas não é difícil chegar lá. Uma delícia!


No número 17 ainda do “quai D'Anjou”está o Hôtel Lauzun, com curiosos canos em formato de peixe. Esse hotel, hoje em dia, pertence à cidade de Paris e é usado em recepções.


Ainda nessa rua, no número 29, está a casa onde Hemingway editava um jornal de literatura na década de 20.


No meio do caminho, na “Rue Poulletier”que era onde a ilha se dividia antigamente por um fosso, encontrei uma escola para crianças e, ao lado, um cartaz dizendo que na época da segunda Guerra, muitas crianças que tiveram o azar de nascerem judias, foram mandadas dali aos campos de concentração. Aqui em Paris há uma preocupação muito grande em não se deixar esquecer os horrores da época do nazismo. Eles aqui tem um ditado que diz: “Perdoar sim, esquecer jamais”.


Nessa rua há uma Igreja bem bonita em homenagem a Saint Louis, que dá nome à ilha (A ilha antes se chamava “Île Notre Dame”, só depois passou a ser chamada de Saint Louis, talvez por ser estranho a ilha ter o nome de uma catedral que ficava em outro lugar) . Essa igreja já foi atingida por um raio e o pináculo anterior foi destruído numa tempestade, por isso fizeram esse atual perfurado, para permitir a passagem do vento. Há belos vitrais no interior da Igreja.




No meio do caminho esbarrei com a famosa sorveteria “Berthillon”e, claro, tive de tomar um sorvete, mas depois de tantos sorvetes deliciosos na Itália de sabores inusitados e com um preço bem baixo, o sorvete da Berthillon me pareceu caro e sem graça. Mas foi bom experimentar!


Passei pela “Rue Saint-Louis em île”, a principal rua da ilha, cheia de lojinhas de moda, roupas, doces e crepes. No número 51 dessa rua está o Hôtel Chenizot, uma mansão construída no século XVII, onde viviam famílias nobres. No século XIX virou residência do arcebispo de Paris Monseigneur Affre, que foi baleado ali mesmo, tentando acalmar a multidão na Revolução de 1848.


Andando mais um pouco, a esquina do “quai de Bethume”com a “Rue des Deux Ponts” há a casa onde morou Marie Curie, aquela cientista que descobriu o elemento rádio e que, graças a ela, hoje, muita gente se cura do câncer com a radioterapia. Ela e o marido Pierre Curie, estão enterrados no Pantheon e fui ver o túmulo deles ano passado.


Saindo da ilha, eu estava com fome, então voltei andando aqui para perto de casa e comi em um restaurante que já havia comido em julho, com a Renata. Chama-se “Le Lutéce” e tem um salmão com talharim maravilhoso!


De lá, fui passear um pouco no jardim de Luxembourg e depois fui encontrar a Renata para ela me explicar como eu chegava no apto do David, que vou alugar em setembro e que ela está alugando agora. Fica fora de Paris, em uma cidadezinha bem simpática. O David foi nos encontrar lá, ficamos algumas horas conversando e depois ele me trouxe de volta aqui pro apto no Quartier Latin. Foi um dia bem tranquilo, com cara mesmo de férias.

A Bientôt!

VIAGEM REALIZADA EM AGOSTO/SETEMBRO DE 2010

Paris é minha segunda Veneza



Bonjour, amigos!

Como é bom estar de volta a Paris depois de quase um mês na Itália, mas antes de falar sobre a cidade-luz, vou fazer uma avaliação do que foram esses meus dias na terra da pizza.

Quando eu estava lá em Riomaggiore, comecei a me perguntar o que eu tinha ido fazer ali naquelas cidades de praia? Justo eu que detesto sol e calor! Acho que fiquei encantada com as revistas de turismo que mostravam belíssimas paisagens de Cinque Terre e diziam que aquilo ali era o paraíso. Mas, sinceramente, para quem tem o Rio de Janeiro como referência, aquilo ali é comum. O mar é bonito, o sol queima sem clemência, o céu é muito azul e o pôr do sol era realmente lindo, mas não era nada que eu não pudesse ver na minha cidade.
Aliás, desde Roma que vinha me sentindo meio iludida. Achei que encontraria, na cidade eterna, um museu a céu aberto. Realmente ele estava lá, no entanto, sem nenhuma placa para explicar o que era o quê. Só ver um monte de ruína, para mim, não interessa, quero saber o que foi aquilo para poder imaginar como era antigamente. Eu não precisava de uma aula sobre o lugar, apenas uma placa dizendo: “Túmulo de Adriano”; “Circo Massimo”; “Arco de Tito”, essas coisas...
Achei um absurdo que Roma, com tantos anos de história, parece não dar valor a seus visitantes e não há nenhuma preocupação em fazê-los entender sua história. E, mesmo estudando antes como eu fiz (quem me conhece sabe o quanto estudo antes de viajar!), havia lugares em que eu ficava sem saber o que era. É claro que isso me deixou estupefata, sendo Roma a cidade com a importância histórica que é e eu queria muito ter podido curti-la com o amor com que estudei sobre ela.

Percebi que essa falta de informação na Itália vai piorando à medida que se chega mais ao sul. Em Milão havia alguns folhetos explicativos em alguns lugares e uns cartazes também. Em Veneza os museus e Igrejas oferecem um papel plastificado na língua que você escolher (menos português, mas espanhol e italiano já me serviam bem) que é preciso devolver no final. Não se leva o folheto para casa, mas ao menos, existe explicação! Em Firenze a coisa começa a complicar. Alguns lugares têm placa, outros têm cartazes, outros têm folheto (só em inglês e italiano) e alguns poucos não têm nada. Em Roma é o caos que já expliquei. Fico imaginando como não deve ser a Sicília, que é no sul da Itália. Realmente italianos e brasileiros têm muito em comum...

No fundo, depois de tanto tempo nesse país, me senti um pouco triste, pois achei que iria amar a Itália e iria querer voltar muitas e muitas vezes, contudo, com exceção de Veneza que eu realmente amei, as outras cidades italianas não me cativaram. Pelo menos não o suficiente para querer voltar. Até Bruxelas me encantou mais que as cidades italianas.
Entretanto acho que foi muito bom eu ter podido fazer essa viagem sozinha e ter podido conhecer tão bem um país a cerca do qual todos têm tanta fantasia. Não me arrependo de ter escolhido a Itália em vez da Espanha (eram as minhas opções quando planejei a viagem). Gostei de muita coisa que vi. Respirei muita história e muita arte! Vi obras belíssimas, construções antiquíssimas e muita coisa que não teria visto fora da Itália!
Essa oportunidade de viajar por tanto tempo para tão longe é única na minha vida. Não sei quando terei outra chance de voltar ao velho mundo por tantos dias. E passar um mês na Itália me trouxe uma bagagem e uma experiência valiosíssimas! Aprendi a me adaptar em circunstâncias que não achei que viveria um dia, a me comunicar em um idioma que não domino (no fim estava até conversando com uma senhorinha na estação que resolveu me contar a vida dela!). Voltei mais plena e mais segura. Certamente voltei uma pessoa melhor!

Porém, chegar em Paris é como chegar no paraíso! Pelo menos no meu ideal de paraíso! Onde há limpeza, organização e onde há informação de tudo! Veneza é um universo paralelo, para onde quero retornar com meu amor, mas não moraria lá jamais! Já Paris é uma cidade do jeito que eu gosto, com cultura para todo lado, muita coisa gratuita e placas....muitas placas informando até o que a gente nem quer saber! Aqui eu moraria, sem dúvidas (não fosse ela tão longe da minha família e dos meus amigos)! Aqui eu me sinto na Europa! Gosto de Paris e gosto de lugares arrumados e certinhos(vai ver é minha parte alemã gritando!). Sou assim. Tenho uma amiga que disse que jamais moraria em Madri por ser certinha demais...acho que vou amar Madri, justamente por isso! A Itália foi um belo país, mas para eu ir somente uma vez, já à França quero voltar sempre que puder!

A bientôt!

VIAGEM REALIZADA EM AGOSTO/SETEMBRO DE 2010