domingo, 29 de agosto de 2010

Um dia a esmo no frio fim de verão em Paris

Bonjour amigos!

Hoje eu iria às Catacumbas de Paris, um passeio um tanto macabro, é verdade, mas que eu queria fazer desde o ano passado. No entanto, ao chegar lá, a fila era enorme! Parece que todo mundo resolveu fazer esse passeio, dito, pouco turístico. Além de tudo, chovia! Eu não estava disposta a ficar em uma fila na chuva, então voltarei outro dia.
De lá quis ir ao Museu dos Esgotos de Paris, mas eles não vendiam o Paris Museum Passe lá, apesar de aceitarem, então fui andando até o Arco do Triunfo para comprar o passe. Ventava muito hoje! Aliás, acho que o outono chegou mais cedo aqui em Paris, pois as árvores estão com suas folhas já todas amareladas e caindo e, no chão, ao andar, ouvimos o “crec-crec”das folhas caídas. É bonito! Mas é frio! E eu não vim preparada para uma viagem no frio, afinal, viajei no verão! Resultado: tive de comprar um casaco já que o que eu trouxe é carioca demais para o pré-outono parisiense.


Quando eu estava lá no Arco apareceu um casal de brasileiros tentando se comunicar com a moça que controlava a entrada e tentando descobrir se havia elevador para subir. Ela respondeu e eles não entenderam, então fui ajudar (é, acho que meu francês está melhorando mesmo!) e ela disse que só havia elevador para quem é cadeirante, então o senhor quis saber se quem tinha mais de 60 anos não poderia subir no elevador, quando eu perguntei isso à moça, ela me olhou com um cara espantada e disse , em francês: “claro que não! O elevador é só para pessoas aleijadas!”. E aí eu entendi uma coisa bem interessante aqui na França: não há qualquer benefício para os idosos aqui, a não ser em compra de passagens, mas não há fila preferencial nem nada do gênero e, pelo jeito que a moça me respondeu, entendi que aqui eles acham que os idosos são apenas pessoas mais velhas e não pessoas incapazes, por isso ninguém vê necessidade de dar preferência a eles. É uma valorização dos idosos como seres humanos. Achei isso bem bacana porque aqui eles não são vistos como fardo ou estorvo, como no Brasil, mas como pessoas normais que podem fazer tudo o que os mais novos fazem e, de fato, por aqui a gente vê muito idoso subindo escadarias que eu não aguentaria, vê muita gente mais velha com mochila nas costas viajando e pessoas de cabelo bem branquinho carregando carrinho de comprar com sorriso nos lábios. No Brasil, os idosos são tratados como “coitados”, aqui eles são tratados como gente! Essas diferenças culturais a gente só percebe mesmo quando fica muito tempo no local....


Do Arco, fui passear a esmo. Andei por ruas em que nunca havia passado aqui em Saint-Germain-des-Prés e acabei indo parar perto do “Le Procope”, o restaurante mais antigo de Paris, de 1686, e que foi frequentado pelos revolucionários famosos da época da Revolução Francesa, além de escritores como Voltaire e Rimbaud. Foi ali que almoçamos eu e minha mãe, ano passado, no aniversário dela. O almoço de lá é sempre ótimo! E o atendimento impecável! De lá dei uma longa volta até voltar para casa. Passei pelo Forum Les Halles e pela Igreja Saint Eustaque, ambos que eu não conhecia.




O dia hoje foi meio sem planejamento, com mais vento do que eu gostaria, mas foi bom. Apesar de tudo, o saldo foi positivo. Seria bem difícil ser diferente, afinal, estou em Paris e Paris é como pizza: mesmo quando é ruim, é bom!

A Bientôt!

VIAGEM REALIZADA EM AGOSTO/SETEMBRO DE 2010

Versalhes, um jardim de Fontes musicais

Bonjour, amigos!

Ontem fui ao Palácio de Versalhes. Pra quem não leu meu post do ano passado sobre como chegar lá, é muito fácil: basta pegar o RER C em direção a Versailles Rive Gauche. Atente que o bilhete é mais caro, pois Versalhes é zona 4 aqui em Paris e o bilhete custa 3,05 euros para ir e mais outro tanto pra voltar. Se você for com o bilhete simples para a zona 1 e 2, pode até conseguir embarcar, mas não conseguirá sair da estação lá, pois é preciso inserir o bilhete na catraca para sair também. Ao sair da estação vire à direita numa larga avenida. Atravesse a rua no sinal e continue na direita, passe o Hotel Ibis e entre na primeira a esquerda. Aí é uma reta até os portões do Palácio. Bem simples!
Se você já tiver comprado o bilhete ou tiver o Paris Museum Passe, vá para a porta central onde está escrito “A toutes les gloires de la France”, se não, terá de enfrentar fila do lado esquerdo, onde ficam as bilheterias (se for época de verão, compre seu bilhete antes, porque a espera é longa!).


Ano passado eu tinha ido a Versalhes, mas, justamente por causa da imensa fila, acabei não entrando no Palácio. Não cometi o mesmo erro e dessa vez fui munida do bilhete. Entrei e, confesso, que me decepcionei um pouco com o interior do castelo. Eu esperava muito mais suntuosidade e opulência. É bonito, mas, depois de ter visto tantos palácios belíssimos na Itália, Versalhes me pareceu um tanto comum...vi o quarto do rei, o da rainha, a cama onde ela dava à luz seus filhos na frente de todos, as salas com a mobília e o famoso “Salão dos Espelhos” que eu esperava que fosse, além de maior, mais bonito.





Contudo, em Paris, nem tudo está perdido! Não há só o Palácio para ver, há também os jardins que, como fui no fim de semana, peguei o show da “Fontes Musicais”. É o seguinte: nos meses de verão, pegando o fim da primavera e o início do outono (esse ano foi de 3 de abril a 31 de outubro) há nos fins de semana, nos jardins, o que eles chamam de “Les Grandes eaux musicales de Versailles”, em que todas as fontes funcionam ao mesmo tempo e toca, ao fundo, uma música clássica diferente em cada uma delas. É lindo!!! Principalmente se você der a sorte de pegar um dia ensolarado como o de ontem. Dá uma sensação tão boa de paz! É muito bonito! Entretanto, isso tem um custo. A tarifa é de 8 euros para 1h30 de show. Nos outros dias da semana, os jardins são gratuitos, no entanto, todas as fontes estão desligadas.







Eu acho que se você vai passar apenas um dia em Versailles, vale a pena pagar, pois é mesmo bem encantador. Eu estava lá, tirando fotos e mais fotos das fontes, quando escutei um casal falando português e fui falar com eles. Eram cariocas também e estavam vindo de Portugal. Foi ótimo, pois conversamos bastante, trocamos dicas de viagem e tiramos fotos uns dos outros. Depois de tanto tempo viajando sozinha é bom ter com quem conversar no meu idioma. Demos uma longa volta juntos e depois cada um seguiu seu caminho.


Ao sair de Versailles, parei para tomar um café perto da estação para fazer hora já que o trem estaria lotado pois aquele era o horário em que a maioria das pessoas estava indo embora. Ainda peguei o trem cheio, mas consegui vir sentada.
À noite, fui à Notre Dame, afinal, desde que cheguei à Paris esse ano, ainda não tinha entrado na catedral! Eram 18h30 e ela estava aberta. Entrei e estava havendo uma missa! Tirei umas fotos e fiquei lá dando uma rezadinha (ando rezando tanto ultimamente que nem me reconheço!). Depois fui comer um crepe ali do lado e acabei conversando uns 10 minutos com o moço do crepe e ele disse que falava muito bem francês! Fiquei tão feliz! Pelo menos os 5 anos de investimento no curso valeram a pena!
Mas eu tenho sentido mesmo que as pessoas me entendem melhor, não preciso mais repetir o que digo e também estou entendendo melhor, pois agora, raramente, peço para falarem novamente. É natural, afinal, só ouço francês em todo lugar que vou, a TV é em francês, tudo é escrito em francês, portanto, é de se esperar que minha capacidade de falar e entender esteja melhorando. Acho que se eu ficasse mais tempo e fizesse um curso por aqui ,certamente, pegaria o “jeito” do idioma. De qualquer modo, estou feliz por estar entendendo e falando melhor!

A Bientôt!

VIAGEM REALIZADA EM AGOSTO/SETEMBRO DE 2010