Mostrando postagens com marcador Buenos Aires- Cafés. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Buenos Aires- Cafés. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

Um domingo diferente na Feira de Mataderos em Buenos Aires

Hola, amigos!

Mais uma noite mal dormida! Dessa vez foi um pouco melhor, pois coloquei o colchão no chão e parei de brigar com o beliche, mas mesmo assim não foi bom! Levantei lá pelas 9h30 e fui tomar café. O albergue está cheio de brasileiros! Impressionante para essa época do ano!
Depois fui chamar a Cláudia para ir comigo à Feira de Mataderos, uma feira que acontece aos domingos em um bairro mais distante e que diziam que era mais barata e menos turística que a já tão batida Feira de San Telmo a qual eu já tinha ido 3 vezes.
Pegamos o ônibus 126 no início da rua Bolívar, bem ao lado da Plaza de Mayo. Mais ou menos 1 h depois, chegamos à feira. Salta-se na avenida del Directorio em frente a uma fonte estranha.

fonte estranha
Ali já começa a feira que se estende por várias ruas do bairro de Mataderos. O bairro tem esse nome por ter abrigado ali, antigamente, o matadouro dos bois que serviam de alimento para os portenhos. O matadouro não é mais ali, mas o nome permaneceu. De fato, os preços são bem melhores que os da feira de San Telmo, além de ter muito artesanato típico da Argentina e não apenas coisinhas turísticas, velharias e antiguidades. Comprei algumas lembranças.




Há um palco, no meio da feira, onde alguns músicos se apresentam tocando música típica. E, ao contrário de San Temo, onde há casais de dançarinos profissionais que se apresentam na rua em troca de algum dinheiro, aqui, sob o palco, casais comuns dançam à sua maneira, sem se preocuparem com coreografias. É interessante. Dança quem quer e como quer.
Depois de algum tempo, almoçamos no “Bar Oviedo” que fica numa esquina em frente ao palco. Comida boa. Atendimento nem tanto, afinal estava lotado! Preço um tanto caro, mas dentro dos padrões atuais.
De lá, terminamos de ver a feira e voltamos para o albergue. Pega-se o mesmo ônibus 126 na calçada oposta da qual se salta. O problema é que o ponto só é visível por um adesivo de plástico colado no poste! Se ele soltar, nenhum turista acha mais aquele ponto! Ele não para exatamente em frente a onde se salta, mas um tanto depois, vai-se andando pela avenida del Directorio, passa-se a calle Murguiondo e depois a calle Oliden e só então se encontra o tal adesivo no poste.



O ônibus estava lotado, o que não é uma boa em Buenos Aires, pois facilita a ação dos batedores de carteira. Levaram a minha e eu nem percebi! Isso porque minha bolsa estava o tempo todo transpassada no meu corpo e na minha frente! É impressionante a rapidez! Basta um minuto de distração e pimba! Já era a carteira! Sorte que não havia praticamente nada de valor dentro dela, além de uns poucos pesos que recebi de troco das minhas compras na feira, por isso nem me estressei muito, afinal, vou embora amanhã, já comprei tudo o que queria, já paguei o hostel e tinha reservado dinheiro para o táxi do aeroporto e mais algum separado fora da carteira. Aliás, fica a dica: não coloque todo o seu dinheiro e cartões na carteira! Ainda bem que, como boa carioca, já tomo esses cuidados normalmente por aqui.
Chegamos ao hostel e ficamos de papo com a galera, depois eu fui me espalhar em meu novo quarto, já que finalmente consegui trocar para um quarto individual e terei, ao menos, a última noite para dormir bem.
Nessa viagem eu descobri que existem dois tipos de viajantes: o viajante-hotel e o viajante-albergue. Existem aqueles que não se importam de dividir quarto, de dormir com luz acesa, de ouvir os roncos alheios e de não ter o mínimo de privacidade. Compartilham banheiros como se pertencessem à mesma família sem o menor problema!
Já outros até gostam do clima de bagunça que existe nos albergues, porém desde que ele seja da porta do quarto para fora. Esse tipo de viajante gosta de ter o conforto de dormir sozinho, não gosta de compartilhar banheiros e prefere manter sua privacidade, embora goste do clima de diversão que sempre acontece nos albergues. Creio que me incluo nesse último, já que gostei muito de ter conhecido todo mundo, adorei sair e passear com a galera, mas nada como um quarto só para mim, onde posso me espalhar e fazer tudo a meu modo, sem me preocupar. Claro que se paga a mais por isso, mas, hoje em dia, acredito que vale à pena!


À noite, conhecemos uma galera de brasileiros e saímos todos para jantar em um restaurante chamado “Dalí” na avenida de Mayo. Depois fomos ao “Café Tortoni”, onde eu estava louca para tomar um chocolate com churros, pois achava que seria parecido com o que comi em Madri e adorei! Não era! O churros não era tão fino nem tão sequinho e o chocolate era líquido e não cremoso. Fiquei um tanto decepcionada mas, pelo menos, serviu para experimentar.


O Café Tortoni continua maravilhoso e eu adoro ir lá, mesmo que dessa vez a comida não tenha sido lá essas coisas. De lá voltamos pro hostel e fui arrumar minhas coisas já que amanhã pego o voo bem cedo para o Brasil.
Buenos Aires me pareceu bem diferente dessa vez. Mais suja, com pessoas mais mal humoradas, com mais mendigos nas ruas e um pouco mais perigosa que de costume. Fiquei um pouco triste pois é uma cidade da qual gosto muito. Talvez tenha sido porque não era época de férias em que os turistas invadem a cidade, talvez tenha sido apena um azar...veremos da próxima vez!

Hasta Luego!

VIAGEM REALIZADA EM SETEMBRO DE 2011

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

museu, feira e tango em Buenos Aires

Hola, amigos!

Acordei cedo no sábado, dia 8, pois queria ir ao Museu Nacional de Bellas Artes (avenida del Libertador, 1473. Aberto de terça a sexta de 12h30 ás 20h30 e aos sábados e domingos de 9h30 ás 20h30). Peguei o metrô no centro (valor absurdamente baixo!! Apenas 1,10 pesos!!!) , saltei na estação Pueyrredon e dali andei mais ou menos 1,5 km. O dia estava fresco, chuvoso até!
Lá pelo meio do caminho um cachorro passou a me acompanhar. Ele era muito fofo! Eu parava e ele parava! Eu atravessava a rua e ele ia junto. Teve uma hora que eu resolvi para dar nome a ele e não tive dúvidas: "Puyerredon!", afinal foi perto dessa estação que ele me adotou.
Estava no meio do caminho quando eu disse a ele: "Puyerredon, estou indo ao museu nacional de Bellas Artes e você não vai poder entrar, tá? Depois que chegar lá teremos que nos separar."
Ele pareceu entender, pois, ao atravessar a Avenida del Libertador, ele que me acompanhava, passou a andar na minha frente como quem estivesse me  guiando. Paramos, ele olhou pra trás e esperou. Continuei e, ao chegar na escada do museu, ele subiu, mostrou com a cabeça que ali era o museu, desceu as escadas e foi embora! Muito lindo! Queria adotar aquele cachorro!!!O museu é grande e bem bonito. Um passeio que vale a pena em Buenos Aires, e o melhor: gratuito! De lá fui até o monumento da Floralis Genérica, uma flor de aço gigante feita em 2002. Todos os dias suas pétalas de abrem e se fecham de acordo com a luz do sol e um mecanismo elaborado feito pelo arquiteto que a construiu.

Almocei empanadas no " El Sanjuanino", um restaurante famosinho entre os turistas, mas pessoalmente eu não gostei muito. As empanadas eram pequenas e caras.
Passei no "EL Ateneo Grand Esplendid" (Santa Fé, 1860), uma livraria que já foi um teatro. A arquitetura é um caso à parte. Linda demais!

Na volta, comprei  um picolé artesanal D-E-L-I-C-I-O-S-O em uma lojinha chamada "Helados Via Maggiore" (fica mais ou menos na esquina da Callao com a Córdoba), dali fui andando, observando aquela bela arquitetura que há em Buenos Aires , passei no mercado e fui para o hotel porque estava acabada de tanto andar!!! Andei uns 10 km nesse dia (emagrecer que é bom, nada!).

Dia seguinte seria o único domingo nessa viagem, então não poderia deixar de ir a Feira de San Telmo. Estava um calor dos infernos, mas aproveitei bem a feira. Comprei umas bobagenzinhas e almocei em um restaurante nada turístico, porém muito bem servido chamado "El Peregrino" (Calle Defensa, 445). Foi o lugar mais barato onde comi (muito bem, por sinal!).
Dali fui para o hotel descansar um pouco, pois à noite iria a um grande evento: show de tango no café Tortoni, o mais antigo e tradicional café de Buenos Aires!
O show foi simplesmente maravilhoso! Como sempre! Aliás, se você for a Buenos Aires, não deixe de ir ao Café Tortoni (Avenida de Mayo, 825), pois o lugar exala uma magia típica daqueles lugares que foram bem frequentados ao longo dos anos...vale a pena pedir o "Submarino"(uma xícara de leite quente com um chocolate para derreter) que é delicioso!
Depois do show que terminou lá pelas 23h, fui até Puerto Madero dar uma volta e tirar fotos noturnas. Voltei andando despreocupadamente passando por vários policiais ao longo do caminho, atestando a segurança da cidade. Como é bom poder andar sem medo pelas ruas de madrugada! A noite foi, literalmente, um espetáculo!
Hasta Luego!

VIAGEM REALIZADA EM JANEIRO DE 2011

quinta-feira, 29 de janeiro de 2009

Show de Tango no Café Tortoni

Hola, amigos!

Este post é muito especial, pois desde que começei a pensar em ir a Buenos Aires e começei a estudar sobre a cidade me encantei com o Café Tortoni. É o café mais antigo da cidade, fundado em 1858, e por onde já passaram figura ilustres como Einstein, Julio Cortazar, Jorge Luis Borges, Carlos Gardel e até mesmo Sartre já tomou seu cafezinho lá.
Quem conhece o Rio de Janeiro, compara o Tortoni à Confeitaria Colombo, contudo, o Tortoni é , na minha opinião, mais bonito e com mais cara de antigo que a Colombo, mas não posso negar que ambos guardam alguma semelhança.




Quando estive em Buenos Aires fui ao Café Tortoni por duas vezes: a primeira apenas para tomar um submarino (leite quente com uma barra de chocolate derretido) e sentir o clima do lugar. Era maravilhoso estar ali, onde pessoas que eu tanto admiro também já estiveram. Dava pra sentir a aura de filosofia e literatura presentes no ar!
Eu e Filipe, um amigo que conheci no hostel,  fomos naquela noite à Avenida de Mayo, 825 e ao entrarmos naquele café, parecia que estávamos entrando em outro tempo! Tudo ali lembrava o século passado e tive uma sensação estranha de também estar fazendo parte da história daquele lugar. É um tanto difícil explicar com palavras a sensação que tive ao entrar no Tortoni pela primeira vez. Eu estava ali, saboreando um submarino, vendo as pessoas à minha volta conversando em castellano, ouvindo o zum-zum dos garçons, o estalido das louças, e por um momento me transportei ao século XIX e imaginei como eram as reuniões literárias que aconteciam ali. Dava pra sentir o cheiro do café e do cigarro daqueles homens que fizeram a história não apenas da Argentina, mas do mundo!






A segunda vez que fui ao Tortoni foi para assistir a um show de tango. A dança tradicional porteña era ali representada desde a sua origem até os dias atuais. Descobri que o Tango começou como uma luta entre dois homens com faca em punho! Depois é que ele virou uma dança, inicialmente praticada em bordéis e prostíbulos ao som do violino, flauta e violão. No início do século XX o bandoneón substituiu a flauta. No tango há um jogo de sedução onde a mulher seduz o homem. Os passos são sensuais e provocantes. Com o passar do tempo os bordéis começaram a contratar pequenos grupos para mostrar a dança ao público e dizem que foi assim que surgiu o tango como conhecemos hoje.



O show de tango do café Tortoni é um dos mais tradicionais e baratos de Buenos Aires (70 pesos, só o show, sem consumação) e apesar de ser, é claro, voltado para os turistas não tem aquelas interferências quase cinematográficas que outros shows têm, como colocar cavalos em pleno palco. É um show dançado em um palco pequeno com um cantor que interpreta músicas de Gardel e bailarinos que parecem flutuar! Eu fiquei encantada!
A música era forte, o show de luzes e som era perfeito, cadenciado e marcante, como as batidas do coração. A orquestra tocava lindamente e em alguns momentos tive até vontade de chorar de tão emocionada que eu estava.
Quem vai a Buenos Aires pela primeira vez deve ir ao Café Tortoni e mesmo que não queira assistir ali o show de tango, deve ir apenas para sentir a clima de história antiga que a casa exala.
Só um aviso para quem for em janeiro: os churros, tradicionais do lugar, não são servidos nesse mês. Fiquei um pouco desapontada, mas isso, de jeito nenhum, tirou a magia do Café Tortoni!

Hasta Luego!

VIAGEM REALIZADA EM JANEIRO DE 2009