quinta-feira, 26 de agosto de 2010

Um passeio consumista em Paris e a bela vista de Montparnasse

Bonjour, amigos!

Hoje amanheceu um dia meio nublado (acho que quinta-feira é o dia da chuva em toda Europa!) e resolvi ir até o teatro “Opera” pois nunca havia nem passado na porta dele e sei que foi ele que serviu de inspiração para os arquitetos projetarem o Theatro Municipal no Rio de Janeiro. O prédio é lindo e mistura estilos renascentista e barroco! Na fachada estão algumas máscaras antigas, que são o símbolo do teatro e estátuas de compositores famosos como Mozart e Bethoven.


Eu ia entrar, mas quando cheguei a bilheteria ainda estava fechada, então fui dar uma volta na Galeries Laffayette, uma espécie de shopping que dizem que é cheio de brasileiros. Realmente! O lugar tem tanta gente falando português que até o recado do auto-falante é dado em português! Impressionante! Foi ali que eu percebi aquilo de que sempre ouvira falar: como tem brasileiro que só vem fazer compras na Europa! O que tinha de gente saindo carregado de lá!! A maioria das pessoas carregava, no mínimo, 3 bolsas. E eu ali, querendo ver a arquitetura do local! Depois de algumas fotos, resolvi procurar umas lembrancinhas pra comprar e achei no andar de baixo umas coisinhas bem bonitinhas e bem em conta! Ao sair de lá, passei no Museu Fragonard, que é o museu do perfume e fica ali do lado (Rue Scribe, 9) e acabei comprando, além do creme que uma amiga encomendou, um perfume pra mim. Ou seja, quando cheguei para entrar no Opera eu estava com duas sacolas e a minha mochila. Achei melhor voltar outro dia.


Voltei para o apto para deixar as compras e fui encontrar a Monica, uma brasileira que conheci pela internet e que chegou hoje a Paris. Iríamos à Torre de Montparnasse, mas quando chegamos lá, estava chovendo, então fomos a um café conversar.
De lá, ela voltou pro apto do David, onde está hospedada junto com a Renata e eu resolvi subir a Torre já que a chuva havia parado. Custa 11 euros e a gente sobe 200 metros em um elevador que eles alegam ser o mais rápido da Europa (38 segundos). No andar 56, onde o elevador para ,há um restaurante, mas eu não estava com fome, pois havia comido uma salada com a Monica, então subi os outros 3 andares que faltavam de escada (não tem outro jeito!) e fui ver a vista panorâmica de Paris. Agora eu entendo por quê construíram aquele Torre, que todos dizem que é tão feia, no meio de Paris. É para nos brindar com aquela vista inigualável!!! Eu ainda dei sorte pois peguei o anoitecer e vi Paris ir se acendendo lentamente. Melhor: vi a Torre Eiffel começar a piscar! Linda!!! Fiquei um tempão lá em cima, só desci porque começou a chover novamente. Voltei ao andar 56 e fiquei olhando a vista pelos vidros. Como Paris é linda vista assim do alto!!


A Torre de Montparnasse ( o nome é uma alusão ao Monte Parnasso, onde viviam os poetas) foi inaugurada em 1973 e até hoje desperta polêmica, por ser quase o único arranha-céu no centro de Paris. Ela é, esteticamente, muito feia, mas a vista compensa! E lá em cima há um vídeo muito interessante falando de todas as cidades que têm torres importantes, desde Nova York até San Gimignano. O vídeo tem legenda em várias línguas e é bem bacana! Saí de lá, peguei o metrô e voltei pra casa. Ainda deu tempo de passar rapidinho no supermercado para comprar um suco de maçã (lembra, mãe?) e chegar no apto e postar tudo isso pra vocês.

Estou fazendo Paris com calma, não quero ter que tirar “férias das férias” quando eu voltar ao Brasil. Mas, sinceramente, nesse ponto da viagem, a saudade começa a ficar quase insuportável e, não fosse eu estar na cidade lindíssima que é Paris, já teria voltado pra casa!

A Bientôt!

VIAGEM REALIZADA EM AGOSTO/SETEMBRO DE 2010

O Jardin des Plantes de Paris

Bonjour, amigos!

Ainda no estilo “estou de férias! E em Paris!”, ontem acordei bem tarde (começo a adaptar a vida na Europa ao meu relógio bilógico, o que significa acordar lá pelas 10h30 da manhã) e fui a um jardim que só descobri que existia depois que voltei da viagem do ano passado: O Jardin des plantes. É um lindo jardim, originalmente de plantas medicinais, criado em 1635 para o então rei Louis XIII. Após a Revolução Francesa foi acrescentado a ele o Museu de História Natural.


Há árvores centenárias ali, incluindo um Ginko Biloba com mais de 220 anos. O jardim é imenso e há nele um labirinto com uma espécie de mirante no cume, que foi construído em 1788.


Há o chamado “Jardim Alpino”com mais de 2000 plantas de montanha, incluindo os Alpes, a Provence, a América do Norte e até o Himalaya. Esse é um espaço bem agradável, com bancos e sombras para se sentar e descansar um pouco.


Há também um zoológico chamado aqui de “ménagerie”, mas eu não me interessei em ir. Além do mais, tinha muita criança fazendo bagunça na fila e eu não queria me estressar. Contudo, fui a Galeria da Evolução (7 euros +2 euros para ver a exposição temporária) que é gigantesca! São 4 andares contando a história da evolução de diversas espécies de animais. É bem interessante, principalmente para as crianças pois tem umas partes do museu que são interativas.


Eu queria ter ido à Galeria de Mineralogia para ver a pedras, mas estava fechada. Na frente havia um enorme quartzo negro vindo diretamente do Brasil. Acho que fiquei umas 3 horas ou mais dentro do jardim. Tudo é muito bonito e organizado. Logo na entrada (pode-se descer na estação de metrô Gare D'Austerlitz) há uma casinha com informações turísticas onde se pode pegar gratuitamente um mapa do jardim (há versão em francês e inglês) e a partir daí, você escolhe onde quer ir.


Saindo do jardim pela saída 36, na Rue Geoffroy Saint-Hilaire, a gente dá de cara com um mesquita e um salão de chá com doces árabes. Esse edifício foi construído em 1922 em estilo hispano-mourisco. Existe também uma lojinha vendendo todo tipo de lembrancinha árabe que se possa imaginar, desde incenso até luminárias. O cheiro que exala dessa lojinha é delicioso!


Como não gosto muito de comida árabe, não quis comer ali e fui até a famosa Rue Mouffetard, onde eu ouvi falar de restaurantes deliciosos e baratos. Antes, passei nas Arénes de Lutéce, uma antiga arena romana que preserva ainda boa parte da sua estrutura original. Ela acomodava até 20 mil pessoas e era usada para esportes sangrentos, foi descoberta em 1860 quando iniciaram a construção da rua ao lado. Hoje virou campo de futebol para os adolescentes e de bocha para os senhores mais velhos. Há um pequeno parque atrás dela onde crianças brincam e mães levam seus bebês para passear.





Depois de passear um pouco pela Rue Mouffetard e olhar suas lojinhas (um tanto caras para o meu padrão), voltei andando para o apto. Achei que era perto, mas andei horrores!! Cheguei aqui com a perna doendo e ainda tinha dois lances de escada para subir. Ufa! Tomei banho e cama!
Au Revoir!

VIAGEM REALIZADA EM AGOSTO/SETEMBRO DE 2010