quinta-feira, 3 de julho de 2008

Uma cidade mágica


Saudações!

Conservatória é o tipo de lugar que você vai a primeira vez por curiosidade e depois nunca mais consegue deixar de ir! Talvez pela sua aura de cidade do interior, talvez pela hospitalidade das pessoas ou ainda porque lá é possível esquecer qualquer problema ou estresse vividos no dia a dia das grandes cidades (cabe dizer que o distrito é a prova da veracidade do provérbio : "quem canta seus males espanta").

A primeira vez que estive lá foi no inverno de 2000. Eu e meu, então, marido tínhamos recebido várias indicações de parentes e amigos sobre o local. Pulsava em nós aquela curiosidade quase juvenil de ver como seria uma cidade em que ainda existiam serenatas ao luar e onde a maioria da população já estava na terceira idade e era até mais ativa que nós. Fomos sem pousada reservada, assim, com a cara, a coragem e a crença de que não seria difícil arranjar lugar para pernoitar. Ledo engano! (Aqui vai um conselho: reserve antes uma pousada, pois hoje em dia, você pode não ter a mesma sorte que eu tive há 8 anos atrás)

Chegamos numa sexta-feira no horário do almoço, demos uma volta pela cidade (aqui leia-se: percorremos as duas ruas, uma que vai e outra que volta) e escolhemos o simpático restaurante "Dó, Ré, Mi" para saciar nossa fome. Uma comida deliciosa! E uma calma e simpatia no atendimento que só é possível em locais em que "pressa" é apenas uma palavra no dicionário.
Devidamente alimentados fomos procurar um local onde pudéssemos deixar nossas malas (na verdade era apenas uma) e descansar um pouco antes da grande atração noturna da cidade.
Entramos em várias pousadas para perguntar se havia vaga. Nenhuma! Estávamos a ponto de chorar por ter de voltar para casa sem pouso quando alguém nos indicou uma pousada "um pouco mais longe". Esse "longe" era no máximo uns 300, 400 metros do centro. Lá fomos nós ao encontro daquela que acabaria por se tornar minha casa em Conservatória: a "Pousada Martinez". Um local simples, mas de ambiente extremamente acolhedor! O nome da pousada vem de seu dono, Sebastião Martinez, que não só administra como também mora na pousada. Ele e sua família. Provavelmente é isso que traz o tom tão aconchegante do lugar, é como se estivéssemos mesmo morando com aquela família!
O quarto é bem simples, com uma cama de casal, um frigobar que pode ser abastecido pelo próprio hóspede, uma TV que pega 3 ou 4 canais ( pra que mais? Se eu quisesse ver TV teria ficado em casa, não acha?) e um banheiro limpo com um chuveiro bem quente!

Hoje em dia, passados 8 anos, a pousada mudou um pouco, fez algumas reformas e conta com piscina, uma grande sala de TV e um espaçoso refeitório para o delicioso café da manhã acompanhado de um músico que toca chorinho para o deleite matutino dos hóspedes, mas disso eu falarei em outro post.

Após preenchermos a ficha de entrada e deixarmos a bagagem no quarto, fomos novamente para a cidade dar uma volta. Existem diversas lojas de artesanato, quase uma ao lado da outra! Muitas parecem casas e às vezes você tem a sensação de estar invadindo propriedade privada ao entrar em alguma lojinha (uma vez, porém, invadimos mesmo! A casinha era tão bem decorada que quando nos demos conta a dona estava sorrindo, quase nos oferecendo um café e explicando que nada daquilo estava a venda, que era a decoração dela mesmo! rs).
As lojas vendem, basicamente, objetos para turistas, desde cachecóis para cantar na fria madrugada sem danificar as cordas vocais até delicadas violas feitas em madeira para serem usadas como porta-chaves. Isso, claro, sem falar nas inúmeras camisetas com aqueles dizeres clássicos "Estive em Conservatória e lembrei de você". O diferencial dessas camisetas é que algumas, em vez dessa frase tão batida, colocam trechos de canções de serestas que foram ou serão ouvidas durante a serenata. É um mimo especial e, em geral, barato.
Há também, quase chegando à uma das praças, uma loja que vende CDs. Essa sim vale a pena olhar com calma, principalmente se você gosta de músicas antigas! Há CDs que você dificilmente encontrará em outro lugar. Cantores como Nélson Gonçalves, Sílvio Caldas, Vicente Celestino, Francisco Alves, Cauby Peixoto, só para citar alguns... é uma delícia ficar garimpando novidades (?) que raramente seriam encontradas por essas bandas, nem mesmo pela internet!

Após esse breve passeio, voltamos à pousada para tomar banho e descansar um pouco até umas 21:30 que é o horário ideal para se retornar ao centro, pois dá tempo de fazer um lanche rápido (lembre-se de que o tempo lá tem uma conotação diferente, portanto "rápido" significa por volta de uma hora) e ir até o "Museu da Seresta" observar o início da cantoria que foi o motivo que nos levara até lá.
Quando chegamos naquele mês frio de julho de 2000 éramos quase que os único jovens do lugar ( e olha que já tínhamos quase 30 anos!) e ficamos meio acanhados ali, do lado de fora do museu, ouvindo as músicas e vendo, através de suas janelas, o interior repleto de livros e capas de discos penduradas nas paredes.
Foi então que um senhor muito simpático, chamado José Borges, viu nossa cara de "marinheiros de primeira viagem" e nos abordou para contar a história do museu, da cidade e do movimento chamado "Em cada casa, uma canção". Esse movimento (fundado por ele e pelo irmão Joubert de Freitas, o que eu só vim a saber depois!) consistia em que cada casa de Conservatória tivesse ao lado da sua porta de entrada uma plaquinha de metal com o nome de uma música da preferência daquele morador. As placas não se repetem. São 403! E a cada serenata os músicos param em frente às casas e cantam aquela música, se o morador gostar, pisca a luz de fora da casa 2 vezes. Acho que foi ali que eu me apaixonei por Conservatória! Parecia coisa de filme do século passado! A cidade toda colaborava, tudo era harmônico!
E assim, quando os músicos saíram com suas violas naquela noite enluarada de sexta-feira, cantando canções das quais eu me lembrava de ter ouvido na infância, nós, como todo mundo, seguimos o que parecia um cortejo (e era: um cortejo à lua!) e cantamos junto, sorrindo e esquecendo por duas horas todos os problemas ou infelicidades que pudéssemos ter tido e vivendo uma sensação mágica que nenhuma palavra será capaz de descrever!

A bientôt!

Em tempo: Voltei a Conservatória em 2013 e a  loja de CDs não existe mais e quem quiser comprar Cds antigos tem de ir ao Museu Vicente Celestino, localizado perto da Maria Fumaça, na entrada da cidade.

Nenhum comentário: