Mostrando postagens com marcador Brasil. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Brasil. Mostrar todas as postagens

sábado, 21 de setembro de 2013

Confeitaria Colombo, tradição e beleza no Rio de Janeiro ( da série "Sendo turista na própria cidade")

Olá, amigos!

Hoje fui encontrar duas amigas na Confeitaria Colombo (Rua Gonçalves Dias, 32), no Centro do Rio de Janeiro. Essa é a confeitaria mais tradicional da minha cidade, tem mais de 100 anos de história e já foi um lugar frequentado por artistas, poetas e escritores no século XIX. O cenário pouco mudou. Ela continua com parte da arquitetura original, de uma época em que ir à Confeitaria era um grande evento, com homens vestidos de terno e mulheres de chapéu.
A confeitaria guarda fotos dessa época, que ficam em exposição nas vitrines da entrada, junto com antigas caixas de biscoito e louças de prata usadas em uma época em que ainda não haviam inventado o aço inox.

Entrada da Confeitaria

foto antiga

Foto antiga

Foto antiga

Bule de prata
Antigas caixas de biscoito

Tradicional caixa de biscoito leque, vendida até hoje
  Ir à Colombo é um programa bem turístico e não conheço ninguém que venha ao Rio de Janeiro e não tenha tido, ao menos, vontade de conhecê-la. Contudo, sua frequência não é apenas de turistas. Muitos cariocas (entre os quais eu me incluo) fazem dela um lugar divertido para encontrar amigos e passar uma tarde agradável. A louça já foi mais bonita e mais tradicional, mas ainda hoje tem um quê especial e pode até ser adquirida, caso o cliente se interesse em ter um pouco da Colombo em casa. Aliás, vários produtos estão à venda logo na entrada do salão de chá.
Produtos vendidos na entrada do salão de chá

As louças para quem quer um pouco da Colombo em casa

Doces do balcão

salgados do balcão

mais doces no balcão

a tradicional torta de chocolate

Tarteletes e enroladinhos do morango

A Colombo tem três ambientes distintos. O mais tradicional deles é, sem dúvida, o salão de chá. Funciona de segunda à sexta de 9h ás 20h e aos sábados de 9h às 17h.

teto da Colombo

salão de chá

vitrine do balcão
Mas há também o restaurante no segundo piso, chamado de Cristóvão, que une culinária portuguesa e espanhola. Pode se chegar lá pegando o antigo elevador de porta pantográfica na lateral direita da confeitaria. Funciona de segunda a sábado de 12h às 16h
Porta pantográfica


E existe ainda um terceiro espaço, bem ao lado da porta pantográfica. Durante a semana há um buffet e no sábado, pode-se sentar ali para comer um doce ou um salgado com calma, embora não tenha o charme do salão de chá.
caixas de biscoito antigas

mais caixas de biscoito antigas

bar na entrada da confeitaria

Ir à Colombo é um belo passeio, seja pela história do local, seja pelas guloseimas ou seja para passar uma tarde divertida ao lado dos amigos.
café com brownie

brownie com sorvete

super profiterolis com sorvete de pistache

jogo americano

cardápio

 Até a próxima!

domingo, 1 de setembro de 2013

Forte do Leme num dia de sol ( da série "Sendo turista na própria cidade")

Olá, amigos!

Essa semana fui visitar o Forte Duque de Caxias, também conhecido como Forte do Leme por ficar no fim do bairro do Leme, no Rio de Janeiro. Ele foi construído no fim do século XVIII, quando o Brasil, ainda colônia de Portugal, sofria a ameaça de uma invasão espanhola. Naquele época, ele era pequeno e ficou conhecido como Forte da Vigia. Como a invasão não aconteceu no Brasil (e sim no Uruguai, em Colônia do Sacramento), o forte acabou sendo desguarnecido por economia e perdeu sua função. Foi só no fim do século XIX, com a proclamação da República que ele passou a se chamar Forte do Leme e, posteriormente, Forte Duque de Caxias.

vista
 Foi apenas no início do século XX, após a conclusão da obra do Forte de Copacabana, que ele voltou a ser alvo de interesse do governo, contudo esse Forte não teve a mesma importância histórica que seu vizinho e acabou sendo desativado como tal após o início da ditadura militar.
Foi só em 2010 que ele reabriu as portas para visitação, depois de sofrer obras de revitalização.
O Forte funciona de terça a domingo, de 09h30 às 16h30. A entrada custa 4 reais (estudantes pagam meia; idosos acima de 65 anos e criança abaixo de 10 anos entram de graça). É fácil chegar lá de ônibus, basta pegar um que faz ponto final no Leme (190, 472 ou 592) e saltar no último ponto da praia. Dali é só andar alguns metros e já se vê a entrada do forte que é bem sinalizada.
Busto de Duque de Caxias

entrada do Forte
Para se chegar, de fato, ao Forte é preciso subir uma trilha de paralelepípedos que vai beirando a encosta e onde estão algumas esculturas sobre a Via Crucis de Jesus Cristo. Lá  eu fiquei sabendo, através de um filmezinho que é passado dentro do Forte, que alguns peregrinos, em determinadas épocas do ano, usam essa subida como penitência. Não é exatamente uma subida difícil (a não ser que você esteja fora de forma, como eu), mas no calor pode ser um tanto cansativa.
trilha

esculturas da Via Crucis
Essa trilha é numa área de Proteção Ambiental e existem placas explicando sobre a fauna da região. No caminho esbarramos com borboletas lindas, passarinhos, lagartos e muitos micos.

placas explicativas

miquinhos pelo caminho
Ao longo da trilha já é possível ver a bela paisagem que, quando chegarmos lá em cima, será ainda mais bela. Dá para ver a praia de Copabacana, o morro Dois Irmãos e o Cristo Redentor, além de se passear por dentro das instalações do Forte com canhões e antigos aparelhos de medição. É um passeio bem interessante.

entrada do Forte lá em cima

vista do alto do Forte

vista panorâmica

canhões

mapa

praia de Copacabana

antigo aparelho de medição de distâncias
Além disso tudo há também algumas salas onde encontram-se pinturas de várias bandeiras dos estados brasileiros; quadro com o antigo brasão imperial e uma sala em homenagem ao homem que dá nome ao Forte.

bandeiras

homenagem a Duque de Caxias

Corredores do Forte

No fim de tudo, voltamos pela mesma trilha. A única coisa ruim de lá é que não há onde comer. Existe uma máquina para se comprar refrigerante (que só aceita notas de 5 ou 2 reais e moedas),mas nenhum lugar para sentar e comer. Quando descemos, ali ao lado, na praia, existem alguns quiosques, mas acabamos não indo lá e não sei dizer se os preços valem a pena.

a volta
Ir ao Forte do Leme é um passeio que vale a pena para quem quer ter um pouco mais de contato com a natureza e se deliciar com as belas paisagens naturais que o Rio de Janeiro tem a oferecer. Recomendo!
Até Breve!

segunda-feira, 29 de julho de 2013

A Nova Rodoviária Novo Rio (da série "Sendo turista na própria cidade")

Olá, amigos!

A Rodoviária Novo Rio, no Rio de Janeiro, já foi bem ruim. Houve um tempo em que ela estava mais para um simples terminal de ônibus que propriamente para a principal Rodoviária de uma cidade tão grande como o Rio. Porém, isso mudou há alguns anos, quando ela foi revitalizada e passou a ter uma cara mais hospitaleira e, por que não dizer, até agradável.
Fui buscar um amigo lá um dia desses e pude ver que, agora, a Rodoviária da minha cidade conta com serviços mais dignos para o turista.
Para começar, no desembarque, logo embaixo da escada rolante, há um novo e grande posto de informações Turísticas, com funcionários simpáticos e bilíngues e material informativo de qualidade, tanto em português como em inglês. São mapas; informativos sobre as linhas de ônibus e metrô; dicas de o que fazer na cidade, tudo em um guia completinho que tem edição mensal. Ponto para a Riotur!
Fiquei muito feliz em ver que a Novo Rio agora tem esse tipo de serviço para fazer o turista se sentir mais acolhido e menos perdido ao chegar à cidade.

Posto de Informações Turísticas embaixo da escada rolante

Funcionários simpáticos dispostos a ajudar

Guia mensal informativo

mapa


Placas espalhadas pela Rodoviária
Além disso, a Rodoviária  possui também caixas eletrônicos de diversos bancos (Itaú, Bradesco, Santander e Caixa Econômica); várias lojas de roupa; doces; souvenirs, bancas de jornal; uma agência dos correios; uma casa de câmbio e um guarda-volumes. Há ainda duas praças de alimentação com algumas lanchonetes bem conhecidas como Spoleto e Girafa's. Também é possível ver muitos guardas, alguns são seguranças da própria Rodoviária, outros são da Polícia Militar.
A maioria dos balcões das Companhias de ônibus está localizada na parte de cima, mas é possível comprar as passagens com antecedência pela internet no site da Rodoviária (www.novorio.com.br) e pelos corredores é possível ver telões com os principais horários de embarque e desembarque.
Telões para conferir o embarque e o desembarque
Para quem, como eu, presenciou uma Rodoviária decadente há menos de 5 anos atrás, é muito bom poder me orgulhar dela agora. O único grande problema da Rodoviária Novo Rio continua sendo o acesso por transporte público. Na saída do desembarque há alguns balcões de táxi que cobram preço fechado para a corrida. Claro que é possível conseguir um táxi na rua, a preço de taxímetro, contudo, diante das obras que estão acontecendo ao redor da Rodoviária por causa do chamado "Porto Maravilha", essa tarefa é um pouco mais complicada já que é preciso ir para o meio da rua com malas e aquela não é uma região muito segura, especialmente à noite.
Para quem quiser sair de ônibus municipal, existe o terminal Padre Henrique Otte, que fica na rua à direita de quem sai do desembarque, dentro de um antigo galpão. Ali há diversas linhas de ônibus que atendem principalmente à Zona Sul e à Zona Central do Rio de Janeiro, contudo há o ônibus 353 que vai para a Zona Norte (Praça da Bandeira; Maracanã; Vila Isabel) e faz ponto final em Jacarepaguá, na Cidade de Deus. Como existem muitos fiscais nesse terminal, pode-se perguntar a eles qual seria o melhor ônibus para atender às suas necessidades.

Espaço de Convivência criado para a Jornada Mundial da Juventude, mas que promete permanecer

Infelizmente a Rodoviária ainda não possui uma estação de metrô (e parece que isso não acontecerá tão cedo, visto que não faz parte dos planos para as obras da prefeitura e do Estado até 2016, quando o Rio de Janeiro vai abrigar as Olimpíadas) e isso dificulta bastante, contudo creio que ela já melhorou muito e, dependendo de onde você vem e para onde você vai no Rio de Janeiro, às vezes pode ser mais fácil sair da Rodoviária que do Aeroporto.
Creio que a Novo Rio ainda pode melhorar muito e assim que terminarem as obras que acontecem em seu entorno, voltarei aqui para contar.

Até Breve e Boa Viagem!

Em tempo: Este blog não recebeu nada para fazer propaganda da Rodoviária, apenas estou orgulhosa de ver as melhorias aparecendo na minha cidade, portanto este post NÃO é patrocinado!